História

Eram assim as mulheres iranianas antes da revolução

1.843

Elas usavam maquilhagem, vestiam decotes e viviam como num qualquer país ocidental. Ironicamente, o fim da ditadura trouxe também menos liberdade para as mulheres. Veja como era antes o Irão.

Design Your Trust

Nos anos setenta, ainda antes da Revolução Islâmica de 1979, a vida no Irão era completamente diferente. Apesar do regime ditatorial onde a liberdade política era uma utopia, eram um país desenvolvido: olhar para as fotografias dessa época era ver um cenário ocidental, com modernização e cultura. Era o resultado de uma economia em crescendo, baseada em investimentos no setor da indústria por parte do ditador Shah.

Isto foi válido ao longo de 40 anos. As burcas que as mulheres iranianas de hoje utilizam contrastam muito com o conceito de moda dos anos setenta, quando elas utilizavam roupas frescas e alguma pele à mostra sem que lhes fosse apontado o dedo. No entanto, o extremismo do Shah tornou-se insuportável e a Revolução Islâmica de 1979 veio alterar o estilo de vida no Irão: a partir dessa altura, as tradições ocidentais introduzidas na cultura foram proibidas. E isso incluía a música, a maquilhagem, a roupa e – claro – os comportamentos considerados “desviantes”. E as mulheres que antes figuravam nas capas das revistas foram atiradas para trás de um véu.

Veja como eram as mulheres iranianas de antigamente na fotogaleria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Arquitetura

Um museu dos “portugueses eram mesmo maus"?

José Manuel Fernandes Arq.
130

Reivindico o direito que temos à essência do nosso país, a assumir do seu contributo para o Mundo ao longo dos últimos 600 anos de expansão e colonização. Sem isso pouco Portugal teria dado ao planeta

Museus

Descobertas e má consciência /premium

Paulo Tunhas

O que a conversa contemporânea sobre a palavra “descobertas” faz é omitir os diferentes sentidos da palavra. Tal como para as celebrações de Salazar, é o aspecto político o único que realmente conta.

Polémica

Museu Portugal Global, e não Museu das Descobertas

Matilde Sousa Franco

“A história portuguesa é história global” e “o lugar de Portugal é de crucial importância”! Porquê continuarmos a menorizarmo-nos a nós próprios? Porquê ter medo de admitir que Portugal foi global?

10 de junho

Um dia contra Portugal? /premium

Rui Ramos
1.266

Catarina Martins não quer ver "reconhecida" a "enorme violência da expansão portuguesa", quer apenas usar a história para deslegitimar os regimes ocidentais -- e só esses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)