Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A defesa de José Sócrates disse esta segunda-feira “ser falsa e completamente disparatada” a manchete do Correio da Manhã que dá conta de um jantar, na semana passada, entre o ex-primeiro ministro jantou e Carlos Santos Silva, o empresário seu amigo também arguido na Operação Marquês. “Desde que está em liberdade, o sr. Eng.º José Sócrates nunca jantou nesse restaurante e nunca jantou com o seu amigo Eng.º Carlos Santos Silva”. No comunicado enviado ao Observador, a defesa diz ainda que será apresentada queixa na sequência desta notícia.

O jornal cita uma fonte e uma testemunha que confirmou o encontro, no restaurante “Solar dos leitões”, em Benfica, na última semana. Os dois estiveram em prisão preventiva durante nove meses, por suspeitas de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais, tendo sido libertados mas com Termo de Identidade e Residência. Ficaram também sob outras medidas de coação, onde se incluiu a proibição de ausência do território nacional, sem autorização prévia e a proibição de contactos com outros arguidos no processo. O nome de Carlos Santos Silva aparece no processo por indícios de ter sido um testa-de-ferro de Sócrates, comprando imóveis em seu nome, por exemplo.

A notícia fez a defesa de Sócrates formalizar uma queixa, por considerar tratar-se de “um crime”: “Tamanha invenção só vem confirmar a campanha de ódio e de perseguição pessoal, o desprezo pela verdade e a falta de respeito com os seus leitores.”

José Sócrates deu ontem uma entrevista à edição brasileira do jornal El País, onde volta a falar do seu caso judicial e faz mesmo comparações com a investigação ao esquema de corrupção da Petrobras que envolve Lula da Silva.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR