Rádio Observador

Quercus

Quercus quer mais fiscalização e legislação para veículos em fim de vida

A Quercus reforçou a necessidade de promover a recolha de veículos e equipamentos eletrónicos em fim de vida. A Quercus afirma que o Estado deve "dar uma resposta urgente" a várias questões.

INÁCIO ROSA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O reforço da fiscalização e a criação de nova legislação para a recolha de veículos em fim de vida e de equipamentos eletrónicos foram alguns desafios apontados esta terça-feira pela Quercus em matéria de reciclagem.

Esta terça assinala-se o Dia Internacional da Reciclagem e esta associação ambientalista sublinha que, apesar de ter existido uma evolução “muito grande” nos últimos anos, há ainda várias questões para as quais o Estado “tem de dar uma resposta urgente”.

Em declarações à agência Lusa num centro de Gestão e Reciclagem de Resíduos em Loures, Pedro Carteiro, da Quercus, defendeu a necessidade de o Estado legislar e reforçar a fiscalização em matéria de recolha de veículos em fim de vida, de equipamentos eletrónicos e de materiais de construção e demolição.

“No caso dos resíduos de construção e demolição sabemos que existe uma meta de reciclagem de 75% até 2020. A questão é que não sabemos quanto é que estamos a reciclar. O cenário é muito negro porque não sabemos o que estamos a fazer”, apontou o ambientalista.

Sobre a recolha de veículos em fim de vida, Pedro Carteiro alertou para o facto de não existirem metas estabelecidas, uma vez que se parte do princípio que todos os automóveis nesta situação são reencaminhados para unidades de abate e desmantelamento.

“Quando se cancela a matrícula existe a emissão do certificado de destruição e só unidades licenciadas o podem fazer. Quando vamos constatar os dados verificamos que cerca de 30 por cento dos veículos tem cancelamento de matrícula sem o certificado de destruição verdadeiro”, apontou.

O ambientalista referiu-se ainda ao tratamento de óleos minerais dos automóveis, queixando-se da existência de “circuitos ilegais” nesta atividade.

“Os óleos minerais podem ser recolhidos para ser tratados para voltarem a ser utilizados novamente. Contudo, existem circuitos de gestão ilegal destes óleos e eles não estão a ser encaminhados para as unidades de regeneração”, alertou.

O circuito de recolha de equipamentos eletrónicos é outra das preocupações levantada pela Quercus, nomeadamente das arcas frigoríficas e dos frigoríficos, que podem contribuir para a “emissão de gases poluentes para a atmosfera”.

“Dentro do circuito urbano 100% das arcas e frigoríficos que chegam às unidades para descontaminação e reciclagem chegam sem compressor e chapa. Isso quer dizer que para a atmosfera já migrou os chamados gases de refrigeração, como o CFCs (Clorofluorcarbonetos) e outros gases perigosos”, referiu.

Outra das medidas defendidas pela Quercus é o reforço dos incentivos à recolha seletiva porta à porta, que, segundo Pedro Carteiro, terá de se tornar mais eficiente.

“Não se vê uma política a sério. No último relatório do Ministério do Ambiente só se fala nos ecopontos. É preciso uma ajuda vertida na legislação que incentive os municípios a desenvolver a recolha seletiva porta à porta”, defendeu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)