Junho é mês de Feira do Livro em Lisboa (e do Santo António), mas nem por isso as editoras deixaram de lado os lançamentos. Para que saiba que novidades vai encontrar no Parque Eduardo VII, reunimos (como de costume) alguns dos novos livros que aí vêm. E olhe que não são poucos.

Estante-Separadores-ficcao

Pela editora Tinta-da-China, irá sair este mês Os Vampiros, de Filipe Melo e Juan Cavita, autores da saga de banda desenhada Dog Mendonça e Pizzaboy. O novo romance gráfico dos dois autores fala sobre a Guerra Colonial e chega às livrarias a 17 de junho.

Pela Casa das Letras, serão publicados Ouve a Canção do Vento e Flíper, 1973, do japonês Haruki Murakami. Os dois romances foram publicados pela primeira vez em 1978 e saem agora pela primeira vez na Europa. Estarão à venda a partir de 14 de junho. Pela Jacarega irá sair Jumanji, do escritor e ilustrador norte-americano Chris van Allsburg. A história foi adaptada ao cinema por Joe Johnston, em 1995, num filme protagonizado por Robin Williams.

A Relódio d’Água irá editar os dois primeiros volumes de Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust — Do Lado de Swann (volume 1) e À Sombra das Raparigas em Flor (volume 2), no âmbito da coleção “Clássicos para Leitores de Hoje”. Em junho, a editora irá ainda lançar A Praia de Noite, de Elena Ferrante (com ilustrações de Mara Cerri), Os Anjos Bons da Nossa Natureza, de Steven Pinker, e Karen, de Ana Teresa Pereira.

A Relógio d’Água tem ainda previstas para este mês o lançamento de duas obras de Philip K. DickSerá que os Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?, romance publicado originalmente em 1968 e que serviu de inspiração ao clássico do cinema Blade Runner e O Homem do Castelo Alto.

A Assírio & Alvim irá estrear este mês a coleção “Almada Breve”, dedicada à obra modernista de José de Almada Negreiros, com dois volumes — Ficções Escolhidas e Manifestos. Pela mesma editora, irá ainda sair uma reedição de Estranha Forma de Vida, de Enrique Vila-Matas, considerado o “melhor narrador espanhol no ativo”.

Pela Livros do Brasil, outra editora com chancela da Porto Editora, será publicado O Falcão de Malta, de Dashiel Hammett, o terceiro título da icónica coleção “Vampiro” que regressou às livrarias recentemente, e Viagens com o Charley, do Prémio Nobel John Steinbeck. Com o selo da Porta Editora, junho irá trazer-nos Um Novo Amanhã, de Dorothy Koomson (que estará na Feira do Livro de Lisboa entre 11 e 13 de junho) e Victor e Macha, da israelita Alona Kimhi.

Pela ASA, irá sair em junho A Vida dos Outros, o novo policial da britânica Sophie Hannah, autora de Os Crimes do Monograma — Um Mistério de Poirot, que trouxe de volta o famoso detetive privado de Agatha Christie. A Planeta irá reeditar A Sombra do Vento, o romance inicial da série O Cemitério dos Livros Esquecidos, de Carlos Ruiz Zafón. O livro estará nas livrarias a partir de 1 de junho.

A 14 de junho, a D. Quixote vai reeditar A Mulher de Porto Pim, do italiano (e professor de português) Antonio Tabucchi e, a 28 de junho, uma reedição de A Festa do Chibo, de Mario Vargas Llosa.

Do mesmo autor peruano, a Quetzal lança já dia 3 o novo Cinco Esquinas.

A Guerra e Paz, vai lançar a 15 de junho Dom Casmurro, de Machado de Assis e, no final do mês, vai inaugurar uma nova coleção — a “Livros Amarelos”. Os dois primeiros títulos — Banqueiro Anarquista/A Alma do Homem Sob a Égide do Socialismo, de Fernando Pessoa e Oscar Wilde, e Portugal, Um Povo de Suicidas/Pessimismo Nacional, de Miguel de Unamuno e Manuel Laranjeira — saem a 29 de junho.

Estante-Separadores-nao-ficcao

Na Tinta-da-China, o mês de junho será dedicado sobretudo à não-ficção. No dia 3 de junho, irá sair o primeiro de vários ensaios — Putinlândia, de Bernardo Pires de Lima. O livro é o primeiro grande ensaio português sobre o presidente russo Vladimir Putin. O livro chega na mesma altura que Chega de Saudade, de Ruy Castro, sobre a história e as histórias da Bossa Nova.

Um clássico no Brasil, o livro chega agora pela primeira vez a Portugal, numa altura em que se comemora o 25º aniversário da edição brasileira. Chega de Saudade chega às livrarias a 3 de junho e será lançado na Feira do Livro de Lisboa a 10 de junho, às 16h.

Também na Feira do Livro irá decorrer a apresentação de Racismo em Português: O Lado Esquecido do Colonialismo, de Joana Gorjão Henriques, a 11 de junho. Partindo de numerosas entrevistas e de uma pesquisa realizada nas cinco ex-colónias portuguesas, Angola, Guiné-Bissau, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Moçambique, Joana Gorjão Henriques construiu aquele que poderá ser considerado o primeiro grande documento sobre o racismo ainda prevalecente. O livro estará disponível nas livrarias a partir de 24 de junho.

Pela Tinta-da-China, irá ainda sair Direito a Ofender: A Liberdade de Expressão e o Politicamente Correcto, de Mick Hume. No ensaio, o autor britânico defende que se pode dizer tudo, incluindo incitações ao ódio, à violência, insultos ou difamações, e contesta os limites que o politicamente correto tem vindo a impor à liberdade de expressão. O livro estará à venda também a partir de 24 de junho.

Pela Casa das Letras, será publicado D. Pedro IV, de Paulo Rezutti. Partindo de cartas e manuscritos inéditos, Rezutti reconstruiu a história não contada do monarca português que se tornou no primeiro rei do Brasil. Pela Sextante Editora, irá sair A Rota da Porcelana, do oleiro e professor universitário Edmund de Wall. A Rota da Porcelana é uma viagem pela história da porcelana, desde a sua origem como matéria-prima à sua transformação em peças intricadas.

Este mês, a Planeta irá também editar o guia Lisboa à Mesa, do crítico gastronómico Miguel Pires. O guia inclui 50 lugares para comer, 35 lugares para comprar e um sistema de pontuações de 3 (“mínimos olímpicos”) a 5 (“ouro”) e outro de índices que permite encontrar tudo o que precisa.