Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A precisamente 13 dias do referendo sobre a saída ou não do Reino Unido da União Europeia, há mais uma sondagem a deixar Inglaterra com um pé fora, dando vitória ao Brexit. Sondagem da ORB para o jornal britânico The Independent põe o “sim” (à saída da UE) a liderar as intenções de voto com uma vantagem de dez pontos: 55% dos inquiridos preferem a saída, enquanto 45% preferem a permanência.

O inquérito online feito a duas mil pessoas, entre esta quarta e quinta-feira, espelha a vantagem que o “out” (sair) tem assumido nas últimas sondagens. A apenas duas semanas da ida às urnas, 55% dos inquiridos votaria o abandono do país da União se o referendo fosse hoje, mais quatro pontos do que o último barómetro feito pela mesma empresa em abril. 45% dos inquiridos votaria pela permanência, menos quatro pontos do que o registado na última sondagem.

De acordo com o Independent, é a primeira vez que o “sair” e o “ficar” aparecem separados por uma margem tão grande. No início, há um ano, quando a ORB começou a fazer este tipo de estudo sobre as intenções de voto a um eventual referendo sobre a saída do Reino Unido da UE, era a “permanência” que liderava nas sondagens, começando com uma larga vantagem de dez pontos.

Agora, a campanha do “não” parece estar a dar frutos e a tendência já se inverteu. A mesma sondagem diz que 78% dos apoiantes do Brexit garante que vai definitivamente às urnas no dia 23, classificando a probabilidade da ida às urnas como 10 numa escala de 0 a 10. Apenas 66% dos apoiantes da permanência do Reino Unido na UE garantem que vão mesmo votar na hora ‘h’.

O único campo onde a “permanência” na União Europeia parece ganhar é no ponto do inquérito onde é pedido aos inquiridos que digam qual acham realmente que vai ser o resultado do referendo, independentemente de onde vão votar. 52% acreditam que vai ganhar a permanência e 48% acreditam que o Brexit leva a melhor. Este parâmetro, habitualmente designado de “sabedoria do povo”, viria a provar-se correto por exemplo no referendo irlandês do ano passado ao casamento homossexual.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR