Rádio Observador

Tive uma Ideia

Como Kroos, Müller e companhia fizeram nascer uma app portuguesa

242

Já assinaram contrato com o Benfica e estão a conversar com "5 clubes europeus de topo". A história da InstaSports começa no Mundial de futebol de 2014, num jogo de má memória para os brasileiros.

Rodolfo Mourato (à esquerda) e Saul Henriques (à direita), os dois fundadores da InstaSports

A história da InstaSports começou a uma terça-feira à noite, 8 de julho de 2014. Em plenas meias-finais do Mundial de futebol, a seleção alemã vergava a brasileira com uma vitória histórica, por 7-1, assegurando a presença na final (que viria a vencer), num jogo que viria a ficar conhecido como o “Mineiraço“.

Saul Henriques e Rodolfo Mourato, à data com 28 anos, viam o pesadelo brasileiro em Portugal, “no café, com amigos”. Viam Júlio César — hoje guarda-redes do Benfica — a ir buscar a bola às redes, vez atrás de vez. E acharam aquilo “tão pouco normal” que decidiram partilhar uma fotografia deles com o resultado da partida, no fim do jogo. Procuraram aplicações mas não encontraram nada que servisse bem o efeito. E acabaram por criar a InstaSports — a app que permite aos fãs de futebol partilharem fotografias com fundos relacionadas com a equipa e resultados dos jogos, em tempo real.

A aplicação que desenvolveram, gratuita e, por enquanto, disponível apenas para iPhone, pode ser usada por quase todos os fãs de futebol — dos que estão num estádio de futebol e querem partilhar esse momento com os amigos aos que não estão, mas que querem partilhar o que sentem ao ver o jogo. E não se ficam por aqui. Saul e Rodolfo querem negociar contratos com marcas, para que alguns dos fundos das imagens sejam “suportadas” por elas — “porque há marcas que não se dissociam dos clubes”, explica.

E com quem é que a InstaSports já assinou contrato? Com o Benfica. Ao Observador, Saul Henriques afirma que a empresa terá, na próxima época desportiva (2016-2017), “packs para os adeptos do Benfica partilharem”, desenhados especificamente para serem utilizados pelos adeptos durante os jogos dos encarnados. Neste momento, a InstaSports está ainda em conversas com “cinco clubes europeus de topo”, que o cofundador da empresa ainda não quer revelar.

Quando tiveram a ideia, os dois cofundadores já trabalhavam: Saul Henriques na área das tecnologias — era project manager de mobile — e Rodolfo Mourato era diretor financeiro de uma empresa. Mas os sete golos de Thomas Müller, Miroslav Klose, Toni Kroos (2), Sami Khedira e André Schurrle (2) mudaram-lhes a vida.

Éramos amigos e, curiosamente, na altura do 7-1, estávamos com a Alemanha. Ficámos com aquela ideia. Fomos falando e em 2015 começámos a fazer o InstaSports”, recorda Saul Henriques ao Observador. Em maio, lançaram-na na App Store.

Como é que tudo funciona? Os utilizadores têm um conjunto de skins [fundos] personalizáveis para cada jogo. Podem escolher o que mais gostarem e acrescentar uma fotografia que podem tirar (ou não) no momento. Depois, podem guardá-la ou partilhá-la diretamente nas redes sociais. Em baixo, está uma das skins que a InstaSports disponibiliza para a seleção portuguesa. A acompanhá-la está uma mensagem personalizada de um utilizador (notoriamente feliz com o golo português), uma fotografia do herói da partida, Ricardo Quaresma, e o resultado em tempo real: Portugal um, Croácia zero.

quaresma instasports

InstaSports quer chegar à Europa

Saul Henriques e Rodolfo Mourato apostaram fortemente neste Europeu de futebol para promover e fazer crescer a aplicação (leia-se, o número de utilizadores). A InstaSports criou um pack exclusivo de skins para as Seleções presentes no evento. Por agora são todos gratuitos, mas a ideia para competições futuras, diz Saul Henriques, é que passe a existir um número limitado de fundos gratuitos, com o pack completo a ser pago pelos adeptos mais fervorosos.

O objetivo é apanhar, principalmente, os clubes da Europa, para já. Não temos tido grande dificuldade de contacto, eles têm percebido que isto é uma mais-valia para os adeptos e em termos de engagement [promoção da comunicação entre clubes e adeptos]”, explica o responsável.

No que toca a objetivos para este ano, os líderes da InstaSports têm vários em mente: adaptar a aplicação para Android, “porque precisamos de estar na plataforma que chega a mais pessoas”, aumentar a base de utilizadores, tentar angariar financiamento em venture capital [capital de risco] — para que a empresa possa ter “alguma sustentação financeira”, que permita “chegar ao máximo de clubes possível” — e ter um conjunto maior de skins disponíveis, para os adeptos das mais variadas cores clubísticas.

Até agora, a empresa tem recorrido a capitais próprios para se financiar. Saul Henriques, fundador da InstaSports, prefere não revelar os valores que têm sido investidos mas diz que, nos últimos tempos — “nas últimas duas a três semanas” — existiu uma abordagem com “uma empresa de capital de risco”. Apesar de não haver nada fechado, esse é um dos instrumentos que a empresa quer explorar no futuro, confirma.

*Tive uma ideia! é uma rubrica do Observador destinada a novos negócios com ADN português.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto editado por Ana Pimentel
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)