Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No dia 5 de junho de 2015, um atentado em Diyarbakir, Turquia, matou quatro pessoas e feriu mais de 400. Desde então já se verificaram outros doze atentados bombistas na Turquia, a maior parte deles em Istambul e em Ankara. A maioria dos terroristas tinha ligações ou ao autoproclamado Estado Islâmico ou a grupos extremistas pró-curdos.

Estes 13 atentados em menos de 13 meses – um atentado por mês, em média – resultaram na morte de pelo menos 278 pessoas e feriram no mínimo outras 1370.

28 de junho, 2016

Aeroporto de Istambul

Um triplo ataque suicida no aeroporto internacional Ataturk em Istambul resultou na morte de pelo menos 42 pessoas e em 239 feridos. Os três atacantes terão chegado de táxi ao aeroporto — o terceiro mais movimentado da Europa — e dois deles fizeram-se explodir perto dos pórticos de raio-x, já dentro das instalações. Os relatos informam sobre a existência de um terceiro bombista que se fez explodir depois de ter disparado uma arma dentro do aeroporto.

Embora não tenha sido reivindicado, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou o autoproclamado Estado Islâmico de ser responsável pelo ataque terrorista.

Explosion in Istanbul

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

7 de junho, 2016

Istambul

Um carro armadilhado explodiu durante a hora de ponta no centro da cidade mais populosa da Turquia. Ao todo, morreram onze pessoas, tendo outras 36 ficado feridas. O objetivo do ataque era, alegadamente, um autocarro que transportava polícias.

O ataque foi reivindicado pelo grupo curdo dos Falcões pela Liberdade do Curdistão (TAK), uma fação do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

ALTERNATIVE CROP Police officers and rescuers inspect the site of a bomb attack that targeted a police bus in the Vezneciler district of Istanbul on June 7, 2016. A bomb attack targeted Turkish police in a central Istanbul district on June 7, 2016, leaving several people wounded, the state-run TRT television reported. / AFP / DOGAN NEWS AGENCY / STRINGER / Turkey OUT (Photo credit should read STRINGER/AFP/Getty Images)

27 de abril, 2016

Grande Mesquita, Bursa

Uma bombista suicida fez-se explodir perto da Grande Mesquita de Bursa, ferindo 13 pessoas. O edifício é um local histórico da cidade turca que chegou a ser a primeira capital do império otomano. Nenhum grupo reivindicou o ataque.

19 de março, 2016

Istambul

Uma explosão numa rua em Istambul provocou cinco mortes e 36 feridos, entre os quais um português. Um bombista suicida fez-se explodir na avenida Iskitlal, uma artéria em Istambul com vários cafés, restaurantes e consulados estrangeiros. O ataque não foi reivindicado, mas tanto o autoproclamado Estado Islâmico como o PKK são possíveis suspeitos de serem responsáveis pelas mortes.

13 de março, 2016

Paragem de autocarro em Ankara

Um carro fez-se explodir na capital turca, resultando na morte de 37 pessoas, ferindo 125 pessoas. O ataque, que não foi reivindicado mas atribuído a membros do Falcões pela Liberdade do Curdistão, teria como alvo um autocarro que transportava civis.

17 de fevereiro, 2016

Base militar em Ankara

Quatro semanas antes do ataque à paragem de autocarro, um ato terrorista matou 29 pessoas e feriu outras 60, em Ankara. Um carro-bomba explodiu perto do parlamento e do quartel-general do exército turco, enquanto passava uma caravana militar pelo local. O ataque foi reivindicado pelos TAK.

14 de janeiro, 2016

Diyarbakir

Seis pessoas morreram e 39 ficaram feridas, depois de uma bomba explodir na entrada da sede da polícia da cidade. Depois das explosões, os atacantes lançaram rockets contra o edifício. Embora o ataque não tenha sido reivindicado, as autoridades da Turquia culpam o Partido dos Trabalhadores do Curdistão.

12 de janeiro, 2016

Istambul

Um bombista suicida fez-se explodir no bairro de Sultanahmet, perto da igreja Hagia Sophia, mais tarde convertida numa mesquita e, atualmente, um museu. Morreram 10 pessoas, tendo outras 15 ficado feridas. O atacante foi identificado como Nabil Fadli, um homem sírio com ligações ao autoproclamado Estado Islâmico.

23 de dezembro, 2015

Aeroporto de Sabiha Gökçen, Istambul

Dois trabalhadores foram atingidos por uma explosão dentro de um avião, no aeroporto internacional de Sabiha Gökçen. Um dos trabalhadores acabou por morrer. O ataque causou danos ligeiros em cinco aviões perto do local da explosão. O grupo curdo TAK reivindicou o atentado.

1 de dezembro, 2015

Istambul

Uma explosão matou uma pessoa e feriu outras cinco, à hora de ponta. A explosão aconteceu numa passagem aérea perto de uma estação de metro da cidade do Bósforo. O ataque não foi reivindicado.

10 de outubro, 2015

Manifestação pacífica, Ankara

Uma dupla explosão durante uma manifestação pacífica matou 103 pessoas e feriu mais de 400, em Ankara. Os manifestantes reivindicavam o cessar das hostilidades entre os militantes pró-curdos e o estado turco. Duas bombas explodiram no meio da multidão. Os investigadores desconfiam que o ataque foi perpetuado por dois homens com ligação ao grupo terrorista do Estado Islâmico.

20 de julho, 2015

Reunião de jovens ativistas, Suruç

Uma explosão numa reunião de jovens ativistas na cidade de Surç resultou na morte de 34 pessoas. Mais de 100 ficaram feridas. O grupo de jovens estava reunido na cidade fronteiriça no sul da Turquia, junto à Síria. O objetivo da reunião era a discussão da reconstrução da cidade síria de Kobane, que está sob o controlo do grupo extremista. O responsável pelo atentado foi Seyh Abdurrahman, um sírio com ligações ao autoproclamado Estado Islâmico.

5 de junho, 2015

Diyarbakir

Duas bombas explodiram em Diyarbakir, matando quatro pessoas e ferindo mais de 400. A explosão aconteceu antes do líder do Partido Democrático dos Povos (PDP) falar num comício do partido. O PDP é um partido pró-curdo. O ataque não foi reivindicado, mas as autoridades apontaram o grupo terrorista Estado Islâmico como um possível responsável.