Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ernesto Driesel Schröter. Fixe este nome se quiser fazer um brilharete na próxima vez que for ou passar pelo Tamariz, no Estoril. E porquê? Ora, rezam as crónicas que é a este empresário austríaco, que chegou a ser ministro da Fazenda de Portugal no início do século XX, que se deve o nome Tamariz: quando transformou o arruinado Forte de São Roque no seu chalet pessoal, Schröter terá plantado árvores de tamarindo nos respetivos jardins. Como chamar-lhe Palacete Schröter não era prático nem agradável ao ouvido — daria para coçar a garganta, contudo — alguém terá optado por se inspirar nos tamarindos para batizar o edifício. E Tamariz ficou, até hoje, designação que se alargou à praia em frente.

Por esse mesmo Tamariz, entretanto transformado em salão de chá e restaurante de luxo, passariam, sobretudo durante a Segunda Guerra Mundial, os espiões em que Ian Fleming se inspirou para criar James Bond, a par de alguma realeza europeia exilada. Já na viragem da década de 80 para 90 instalar-se-ia ali um dos primeiros restaurantes japoneses em Portugal, o Furusato. Ou seja, ao edifício não lhe faltam pergaminhos. E são esses pergaminhos que o novo Villa Tamariz Utopia quer honrar.

La_Villa_sunset

Um edifício com história que agora ganha um novo conceito.
(foto: © Ricardo Polónio)

Antes de mais, é importante não confundir o espaço com o bar/discoteca homónimo que, de há muitos verões a esta parte, tem permitido aos púberes cascalenses e respetivos pares descobrir as coisas boas da vida adulta. Ao Villa Tamariz, que pertence ao Casino Estoril mas é gerido pelo Penha Longa Resort, corresponde apenas o histórico edifício amarelo nascido pela mão do tal Schröter e a respetiva esplanada. E mesmo aí há diferenças. Esmiucemos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A zona exterior, que inclui mesas altas e baixas, sofás, cadeiras e cadeirões, funciona o dia inteiro, logo a partir das 10h. A respetiva carta aposta em refeições leves — hambúrgueres, wraps e saladas –, com alguns petiscos pelo meio, como forma de complementar uma vasta oferta de bebidas. Afinal, junto à praia é importante manter a hidratação. As sangrias e os mojitos ganham o campeonato da variedade: há mais de uma dúzia de cada disponíveis. Uma maquia generosa, conseguida através de variações criativas das receitas originais.

Destaque, entre o leque de sangrias para uma que homenageia as tabernas de outros tempos por juntar ingredientes que nelas também se casavam com frequência: grenadine, cerveja, gasosa, Martini e Porto Seco. Ao resultado final, vermelho vivo, chamaram-lhe 35, o que é outra homenagem — esta menos unânime, quiçá — ao número de títulos nacionais de futebol do Sport Lisboa e Benfica.

VILLA TAMARIZ TP

Sai uma 35 (19€/jarro) com vista para o mar.
(foto: © Tiago Pais / Observador)

Como se leu em cima, o conceito foi desenvolvido pelo Penha Longa Resort. “Fomos contactados pelo Casino [do Estoril] que é quem detém o espaço e decidimos avançar”, explica Marta Santos, diretora de Vendas e Marketing da unidade hoteleira. Apesar de ser inevitável falar nessa associação, a ideia dos responsáveis é que o Villa Tamariz funcione de forma autónoma, sem estar ligado à marca Penha Longa. Portanto, esqueça este parágrafo. Ou não.

No interior há um aproveitamento distinto dos dois pisos. Em baixo funciona o restaurante, que só abre aos jantares. Já lá vamos. Subindo as escadas em caracol, encontra-se uma sala que pode ser alugada para eventos e servir como uma extensão do bar. E é esta sala que, espera Marta, vai permitir “que o espaço funcione o ano inteiro”, mesmo quando a meteorologia pedir mais lareira e menos mar.

Escrito isto, voltemos, então, ao restaurante propriamente dito, que fica no piso térreo. Aqui, apesar das janelas amplas para o mar, com uma vista que, esta sim, faz por merecer o desgastado adjetivo privilegiada, os responsáveis não ficaram a dormir à respetiva sombra. Assim, apostaram num conceito específico, que até está muito em voga: o arroz. O desafio de o concretizar ficou a cargo do chef Mário Cruz, que já estava ligado ao Penha Longa (e que trabalhou anteriormente com Luís Baena e Marlene Vieira, entre outros). “Tínhamos uma vontade grande de inovar, dentro do que é português. E o arroz é uma parte grande disso”, explica Mário.

Chef_Mario_Cruz-14

Mário Cruz tem no currículo passagens pelas cozinhas de Manifesto e Avenue, com, respetivamente, Luís Baena e Marlene Vieira. (foto: © Ricardo Polónio)

Não quer isto dizer, porém, que tudo seja arroz no Villa Tamariz. Para começar, há uma série de entradas criativas. Destaque, por exemplo, para o ceviche de choco (7€), em que o dito é marinado como se de um ceviche peruano se tratasse, mas chega à mesa em tiras (e não em cubos) sem a quantidade habitual de leche de tigre. Outra entrada curiosa envolve uma desconstrução do bacalhau à Brás (7€), que inclui um crocante feito com a sames (o estômago) do bicho.

Já quando o chef dá o arroz, fá-lo em diferentes contextos. Primeiro, dá-o à grande, ou seja, para duas pessoas, servido na paella, na fidéua (a parente valenciana da paella) ou no tacho. Aqui varia, sobretudo, a matéria-prima que acompanha o arroz: são opções o marisco, o pato, o carabineiro, o choco ou o lavagante, entre outras. Depois, dá-o no prato, “cremoso e voluptuoso”, como lhe chama, em doses individuais. Neste caso as propostas variam entre o arroz de ostras da Ria de Aveiro (15€), o de abóbora com queijo de cabra e rúcula (13€) ou o de bacalhau de coentrada com tártaro de tomate e alho (15€). “A nossa cozinha é, inevitavelmente, muito focada no mar“, comenta Mário. O cenário justifica a opção.

Arroz de Pato

Um dos arrozes da carta, o de pato neste caso.
(foto: © Ricardo Polónio)

A complementar esta oferta há ainda uma seleção de outros pratos principais, quatro de peixe e quatro de carne. Quatro são também as sobremesas, umas mais doces, outras mais frescas. “Queremos ter uma ementa o mais sazonal possível, usar sempre os produtos de época”, garante o chef, que prevê alterações trimestrais à oferta. Já o que se vê da janela não se prevê que venha a mudar. E ainda bem.

Nome: Villa Tamariz Utopia
Morada: Praia do Tamariz (Estoril), Cascais
Telefone: 91 012 7990
Horário: O lounge e o bar funcionam das 10h às 02h. O restaurante funciona das 19h30 às 23h. Encerra ao domingo e segunda-feira ao jantar.
Preço: Há dois menus degustação, de 35€ (7 passos) e 55€ (13 passos). O serviço à carta, no restaurante, fica entre os 30 e os 50€ por pessoa. No bar, onde se servem refeições leves, o preço médio andará pelos 15€.
Reservas: Aceitam
Site: www.penhalonga.com/pt/Gastronomia/Villa-Tamariz-Utopia