Acidentes de Aviação

Acidente com C-130 fez três mortos na base do Montijo

2.816

Um avião da Força Aérea teve um acidente na base do Montijo. Morreram três pessoas e há um ferido. Ministro da Defesa reunido com CEMFA no local a avaliar a situação. Azeredo Lopes cancelou agenda.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O ministro da Defesa esteve esta tarde reunido com o general Manuel Teixeira Rolo, chefe do Estado Maior da Força Aérea (CEMFA) na base aérea do Montijo, onde se deu o acidente com o Hércules C-130 que provocou três vítimas mortais. Segundo comunicado oficial, Azeredo Lopes esteve a avaliar a situação com os responsáveis do ramo e cancelou a agenda que tinha para hoje: uma sessão de esclarecimento na sede da Federação do PS de Braga às 21h30.

O ministro deslocou-se esta tarde à Base Aérea do Montijo para “manifestar o profundo pesar pelos acontecimentos que resultaram na morte trágica de três militares da Força Aérea”. O ministro reuniu-se ainda com o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, general Manuel Rolo, que recebeu as condolências e informou o ministro sobre as circunstâncias do acidente e o apoio prestado às vítimas e aos seus familiares, segundo indica ainda o comunicado enviado às redações.

Na sequência do acidente desta segunda-feira, a Comissão Central de Investigação da Força Aérea iniciou de imediato o processo de investigação respetivo. Este inquérito vai apurar o que provocou três mortos e um ferido grave na sequência de um incêndio a bordo na parte da frente do avião, antes de a aeronave levantar voo. A bordo deste avião de carga iam sete pessoas, todas militares. A informação foi confirmada pelo Observador junto da Força Aérea. Os elementos relativos ao número de mortos foram confirmados pelo INEM à Lusa.

A TVI 24 tinha adiantado que as outras vítimas do acidente estavam em avaliação médica. De acordo com a Autoridade Nacional da Proteção Civil, o alerta foi dado às 12h20 e as operações começaram cerca de uma hora depois, mobilizando 48 operacionais e 15 veículos.

Segundo avançou o Notícias ao Minuto sem citar fontes, dois capitães morreram na sequência do acidente a tentar salvar um tenente-coronel. Os dois capitães conseguiram sair do C-130, mas voltaram para trás para ajudar o tenente-coronel que havia ficado para trás, preso no interior do aparelho.

20160711_123541

Fotografia enviada por um leitor do Observador residente do Lavradio, no Barreiro.

Contactada pelo Observador, o porta-voz da Força Aérea apenas confirmou a ocorrência do acidente e remeteu mais informações para um comunicado de imprensa a ser divulgado no final do dia de hoje, dizendo apenas que “a prioridade neste momento é perceber o estado da tripulação”.

A Força Aérea Portuguesa tem sofrido com a escassez de verbas para manutenção e falta de pilotos. Mas, sabe o Observador, o CEMFA tem repetido nas idas à Assembleia da República e a outras entidades que os pilotos não voam quando as aeronaves não estão operacionais e quando não gozaram as horas exigidas de descanso. Não se sabe ainda, no entanto, se o problema do avião teve a ver com manutenção ou se a avaria teve outras origens.

A Esquadra 501 tinha seis C-130 desde 1977. Neste momento, um serve de peças para os restantes. Três estavam em manutenção e dois estavam operacionais.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Páscoa

O testamento de Jesus Cristo /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Deixo à Igreja o meu coração (...) que é fonte inesgotável de perdão e graça para quantos, absolvidos dos seus pecados pelo sacramento da penitência, me recebem no santíssimo sacramento da Eucaristia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)