537kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Entregue na AR petição a pedir referendo e adiamento da votação

Este artigo tem mais de 5 anos

Os subscritores da petição pedem que a votação que ocorre esta quarta-feira no parlamento seja adiada, e que se conheça a posição da sociedade portuguesa sobre a questão.

"A gestação de substituição ignora os laços afetivos e psicológicos estabelecidos entre o feto e a mulher grávida", argumenta a petição
i

"A gestação de substituição ignora os laços afetivos e psicológicos estabelecidos entre o feto e a mulher grávida", argumenta a petição

Getty Images

"A gestação de substituição ignora os laços afetivos e psicológicos estabelecidos entre o feto e a mulher grávida", argumenta a petição

Getty Images

Uma petição a favor de um referendo sobre as barrigas de aluguer, que já conta com mais de 4.400 assinaturas, quer adiar a votação de quarta-feira sobre as alterações ao diploma, que foi vetado por Marcelo Rebelo de Sousa. Os promotores entregaram o documento esta segunda-feira no parlamento.

A “Petição por um Referendo sobre a Gestação de Substituição” foi colocada em circulação pelos promotores do “Manifesto por um Verdadeiro Debate Público sobre a Lei da Procriação Medicamente Assistida e Gestação de Substituição“.

Os signatários da petição esperam que a Assembleia da República “tome a iniciativa de discutir e deliberar a convocação de um Referendo Nacional sobre a gestação de substituição, de forma a apurar-se qual o entendimento maioritário vigente em Portugal”, lê-se no texto.

Além do referendo, os subscritores pedem que seja promovida uma “discussão pública sobre a gestação de substituição”, e sugerem que se utilizam “práticas parlamentares de audição pública, nomeadamente, debates nacionais, colóquios e seminários”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No texto da petição, argumenta-se que o veto do Presidente da República conferiu “a oportunidade ao Parlamento de reponderar a posição adotada”. Além disso, “a gestação de substituição ignora os laços afetivos e psicológicos estabelecidos entre o feto e a mulher grávida, que a ciência reconhece como importantes para o desenvolvimento futuro da criança”, explica a petição.

A gestação de substituição “torna a mulher numa simples incubadora”, argumentam os signatários da petição.

Afonso Espregueira, o promotor e primeiro subscritor, escreve no Observador que, além de os vários detalhes dos contratos assinados entre o casal e a mulher grávida serem questionáveis, “assume ainda especial gravidade o facto de, nestes pontos, não ser feita qualquer consideração sobre o que poderá ser melhor para a criança”.

O responsável pelo manifesto argumenta que “a gestação de substituição levanta questões sobre o que é ser mãe e o que é ser filho, põe em causa a dignidade da mulher e o desenvolvimento harmonioso da criança e que é impossível de legislar sem que tal implique a violação de direitos fundamentais de algum dos intervenientes, geralmente a parte mais frágil”.

Para Afonso Espregueira, é essencial “conhecer o pensamento dos portugueses, em especial dos seus eleitores, sobre esta matéria. De outra forma, estar-se-á a quebrar o elo de confiança entre eleitores e deputados”, argumenta.

A petição foi enviada com mais de 4.200 assinaturas, na segunda-feira, mas a versão online continuou a receber novas subscrições.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.