O site Gawker.com surgiu em 2003 e durante quase 14 anos teve um grande sucesso. Depois de ter sido alvo de vários processos judiciais, viu-se obrigado a declarar falência e vai mesmo encerrar, conta o Hollywood Reporter.

O site fazia parte do grupo Gawker Media, que geria outros seis sites. Todos eles foram comprados pela empresa Univision à exceção do Gawker. O anúncio foi feito no próprio site.

Os funcionários do Gawker serão transferidos para outros títulos do grupo ou irão desempenhar outras funções na Univision.

A falência terá sido impulsionada por uma série de processos de que o site foi alvo, que foram financiados por Peter Thiel, co-fundador do Paypal. Em 2007, um sub-site do Gawker revelou que Thiel é gay. Desde então, o milionário investiu 10 milhões de dólares (quase nove milhões de euros) a tentar derrubar o Gawker. O caso mais recente, e que terá sido a gota de água para a empresa, foi o de Hulk Hogan. O lutador processou o site por invasão de privacidade, depois de este ter revelado umas filmagens em que Hulk Hogan aparece a fazer sexo. Hogan ganhou o caso e uma indemnização de 140 milhões de dólares (cerca de 124 milhões de euros).

Depois de ter sido divulgada a informação de que o site seria encerrado, Hulk Hogan partilhou no Twitter: “Eles meteram-se com a pessoa errada”.

Peter Thiel escreveu um texto de opinião sobre o assunto, que foi publicado pelo New York Times na véspera da audiência da falência.

O fundador do site, Nick Denton, diz que “mesmo que os recursos mudem o veredicto, Peter Thiel já alcançou muitos dos seus objetivos”.

Denton já informou que não vai transitar para a Univision, mas vai prosseguir com novos projetos. Disse que vai trabalhar “para tornar a internet num fórum para a troca aberta de ideias e informação, mas fora do negócio das notícias e das fofoquices”.

Sobre o Gawker, elogiou a equipa por “introduzir um novo estilo de jornalismo” e por ter criado uma ligação “com uma geração cética e conhecedora dos media”.