França

Polícia obriga mulher a despir-se em Nice depois de proibição do burkini

1.374

Agentes da polícia francesa obrigaram uma mulher a despir a roupa numa praia. O acontecimento vem na sequência da proibição (que pode ser temporária) dos burkinis. Mas a mulher não estaria a usar um.

Vantagenews.com

A polícia francesa obrigou uma mulher a despir a roupa numa praia em Nice, argumentando que a mulher estava a desrespeitar a proibição de utilização de burkini em quinze cidades. Siam, a mulher em causa, acabou por ser multada porque “não estava a usar um traje adequado à boa moral e ao secularismo”. No entanto, de acordo com o relato das testemunhas no local, a mulher não estava a usar burkini, mas sim umas calças leggings com uma túnica e um véu azul-turquesa, diz o The Guardian.

4252

A mulher despe a roupa perante o olhar dos polícias. Créditos: Vantagenews.com

As imagens de de uma mulher muçulmana a despir-se perante o olhar de quatro agentes da polícia num dos areais da Promenade des Anglais começou a circular nas redes sociais esta terça-feira. “Eu estava apenas sentada na praia com a minha família. Estava a usar um véu clássico. Nem sequer tinha intenção de ir nadar”, explicou a mulher de 34 anos à polícia. Várias pessoas terão começado a aplaudir para a polícia e a gritar contra Siam. “A filha dela começou a chorar”, relata uma das pessoas que assistiu à situação.

Nice é uma das quinze cidades francesas que proíbe desde a semana passada a utilização de burkinis, um fato de banho que cobre completamente o corpo e a cabeça das mulheres, em espaço público. De acordo com as autoridades francesas, o burkini “manifesta declaradamente adesão a uma religião numa altura em que a França e alguns lugares de culto são alvo de ataques terroristas”. E acrescenta que este tipo de vestuário é “passível de ofender as convicções religiosas dos outros utilizadores da praia”.

Esta proibição pode ser temporária: a pedido da Liga dos Direitos Humanos, uma organização não-governamental francesa, o banimento do burkini só vai ser definitivo se o mais alto tribunal administrativo de França o aprovar. A decisão vai ser tomada esta quinta-feira.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)