Quatro ‘rockets’ foram lançados, na noite de sábado, contra o aeroporto de Diyarbakir, no sudeste da Turquia, noticiou a agência Dogan, atribuindo o ataque ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Os disparos, que visaram um terreno devoluto perto de um posto de controlo da polícia, não fizeram feridos.

O ataque surge um dia depois de um atentado, perpetrado com um carro armadilhado, contra uma esquadra, que fez 11 mortos e dezenas de feridos em Cizre, também no sudeste da Turquia.

Esta região, de maioria curda, é palco, a um ritmo quase diário, de confrontos entre as forças de segurança turcas e combatentes do PKK desde que um cessar-fogo de dois anos e meio entre os rebeldes e Ancara foi violado no verão do ano passado.

O exército turco lançou, na quarta-feira, uma vasta ofensiva no norte da Síria para combater o grupo extremista Estado Islâmico, mas também as milícias curdas consideradas próximas do PKK.

O PKK é uma organização classificada como “terrorista” pela Turquia, Estados Unidos e União Europeia.

O PKK empreendeu em 1984 uma luta armada contra o Estado na demanda de mais autonomia para os mais de 12 milhões de curdos que vivem no país.