É uma figura regimental que os partidos podem usar de forma limitada: agendar um debate de atualidade a título potestativo, isto é, a título obrigatório. O grupo parlamentar do CDS marcou para esta quarta-feira um debate no Parlamento sobre a “rutura dos serviços públicos”. O objetivo é questionar as opções que o Governo, apoiado pelos partidos da maioria de esquerda, tem tomado em torno dos serviços públicos nas áreas da Saúde, Educação e Transportes.

Em causa estarão, por exemplo, o congelamento das despesas com hospitais que tem levado a notícias de rutura nos serviços de saúde, o caso dos problemas com os bilhetes e carruagens do metro de Lisboa que tem levado a várias queixas dos utilizadores, ou o caso da falta de pessoal nas escolas e os problemas na colocação de professores.

O tema do debate, que vai ter lugar na sessão plenária desta tarde, é “Rutura dos serviços públicos: a fatura da agenda das esquerdas”, sendo que o objetivo dos deputados centristas é precisamente chamar a atenção para o facto de o Governo socialista estar a tomar medidas à boleia daquilo que o CDS acredita ser a agenda dos sindicatos.

O Parlamento debate esta tarde, a par da questão dos serviços públicos, o alargamento das tarifas sociais de energia e da água assim como o combate à precariedade laboral.