Videojogos

Jogar o FIFA 17 fora das quatro linhas

A maior inovação desta edição de FIFA 17 é a introdução do modo The Journey, que leva o futebol para fora das quatro linhas, no papel de um jovem jogador inglês. O Rubber Chicken já lhe vestiu a pele.

FIFA 17/EA Sports

Deve haver pouca gente que ainda não tenha ouvido falar de FIFA 17. Afinal, mesmo não sendo um adepto dos videojogos ou de futebol, há uma enorme probabilidade de conhecer alguém que o seja. Para mais, trata-se de um jogo que traz alguma bagagem: 17 anos de história, para ser mais preciso. Tanto que o jogo é tido como “Tão certo como a morte e os impostos” na primeira abordagem que o Rubber Chicken lhe fez depois do lançamento oficial.

Não é fácil inovar neste segmento. As regras do futebol continuam relativamente imutáveis, salvo raras exceções. E continua a haver limitações físicas e de plausibilidade que estão inerentes a um jogo de futebol minimamente desafiante e verosímil. Por muitas voltas que se dê, o jogo continua a ser disputado num retângulo verde, com duas balizas, uma bola e 22 jogadores. Continua a haver passes, remates, cortes, faltas, lançamentos e penalties. Não dá para reinventar a roda. Dá, apenas, para pontapear a bola e brincar com ela, como se de um jogo de futebol se tratasse.

As sucessivas edições de FIFA procuram adicionar algo de novo. Novas animações, novas técnicas de controlo de bola ou de remate, novas reações e jogabilidade. Mas, convenhamos, é mais do mesmo. Ano após ano após ano.

thejourney-intro-md

FIFA 17 não reinventa a roda. Continua a ser um videojogo centrado no futebol, com um campo relvado e 22 jogadores a correrem atrás de uma bola. Há novas formas de passar a bola, de dar efeitos a remates e outro tipo de argumentos que, por si só, dificilmente seriam válidos para justificar a compra de (mais) um jogo de futebol.

Mesmo com as ligas atualizadas, com os nomes dos clubes e respetivos jogadores com algumas pinceladas básicas de parecenças físicas nuns casos e com réplicas quase perfeitas noutros, isso dificilmente seria razão para justificar uma compra. Mas FIFA 17 desta vez inovou. Ousou sair do retângulo relvado e trazer o jogo para o campo de treinos, para os balneários, as salas de imprensa, e para a nossa casa.

FIFA17_XB1_PS4_JOURNEY_HUNTER_OFFICE_3_NO_WM

A grande novidade – e o argumento de maior peso – deste FIFA 17 é o modo The Journey, acerca do qual já havíamos falado aquando do pré-lançamento do jogo, em junho. Neste modo de jogo, somos colocados na pele de um jovem jogador, à procura de dar os seus primeiros passos na competitiva Premier League. Não sendo, por si, inovador, passa a sê-lo quando se explora o modo em questão e se verifica que as coisas não são fáceis dentro ou fora do campo.

Indo beber inspiração – e competências – a outros tipos de jogo orientados à história, The Journey constrói uma relação emocional com a nossa personagem e permite-nos ir moldando a sua personalidade mediante atitudes e respostas aos diversos diálogos que o jogo nos vai proporcionando. É um sem-número de novas camadas a explorar dentro de um jogo que dá o salto para fora de um campo de futebol e nos guia através de uma história que, aos poucos, começamos a transpor para a primeira pessoa.

As relações de Alex Hunter com a sua família, amigos e colegas vão, gradualmente, deixando de ser apenas dele e passam a ser as nossas, num envolvimento pouco comum em videojogos do género. Acresce a isso a dificuldade de estarmos na pele de um jovem de 17 anos e, portanto, com muito ainda por onde crescer e evoluir, o que se reflete no que podemos fazer, principalmente no início da nossa caminhada no jogo.

Aqueles dribles estonteantes ou os remates certeiros que vemos os jogadores fazerem quando pegamos num Cristiano Ronaldo não são desde logo possíveis no nosso jovem jogador, o que levará a que nem sempre tenhamos o melhor desempenho em campo. Lidar com isso, com eventuais conflitos dentro do balneário, com perspetivas de carreira menos apelativas que aquelas que pretendíamos, é também parte da envolvência do jogo. E para que se possa criar ainda uma maior ligação à personagem, The Journey permite que, durante os 90 minutos, controlemos apenas o protagonista, ficando à mercê dos nossos companheiros de equipa para as restantes tarefas no decorrer do jogo.

Não é perfeito. Há ajustes que poderiam ser implementados para tornar a experiência mais realista, mais agradável, mais abrangente. Mas é, tal como está, uma excelente viagem na primeira pessoa ao mundo do futebol que, então sim, poderá justificar a aquisição de FIFA 17, abrindo portas para explorar o resto dos conteúdos do jogo, como o FIFA Ultimate Team e outros regressos. Num mundo de retângulos verdes, FIFA 17 consegue sobrepor-se à concorrência e dar uma pedrada no charco, para os fãs do futebol e não só.

Ricardo Mota, Rubber Chicken

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)