O líder provisório do PSOE assegurou, esta terça-feira, em Madrid que os socialistas vão liderar a oposição ao próximo Governo de direita em Espanha, que deverá tomar posse antes do fim do mês, recusando as críticas feitas pela extrema-esquerda.

“Estou convencido de que o Podemos [extrema-esquerda] vai para a rua e o grupo parlamentar socialista liderará a oposição” ao Governo de Mariano Rajoy do PP (Partido Popular, direita), disse Javier Fernández depois de se ter reunido com o rei Felipe VI.

O presidente da comissão de gestão do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) disse ao chefe de Estado que “o grupo socialista vai abster-se” na sessão de investidura que deverá terminar no fim de semana quando houver uma segunda votação ao nome de Mariano Rajoy, candidato que se espera ser anunciado ainda hoje.

Javier Fernández desvalorizou a atual divisão dos socialistas, com alguns deputados a ameaçar votar “não” a Rajoy, contra a indicação dada de se absterem.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O que temos de fazer agora é convencê-los a não tomar essa posição” (votarem “não”), disse Fernández, acrescentando que espera que “todos votem em consonância com o decidido pelo Comité Federal” socialista.

Javier Fernández sublinhou que a abstenção dos socialistas não significa que o partido “garanta” a estabilidade governativa a Rajoy ou que vá apoiar a proposta de orçamento geral de Estado para 2017.

O líder do Podemos, Pablo Iglesias, acusou também, esta terça-feira, em Madrid o PSOE de se unir ao PP e Cidadãos para formar um novo Governo em Espanha, qualificando de “histórico” a investidura de Mariano Rajoy.

“Penso que a nós só nos resta ser oposição”, resumiu Pablo Iglesias, acrescentando que o próximo executivo de direita vai ser “duradouro” e caraterizar-se pela continuação da “corrupção, ineficácia e imobilismo”.

Nas eleições de 26 de junho, o PP foi o partido mais votado (33,0 % dos votos e 137 deputados), seguido pelo PSOE (22,7 % e 85), Unidos Podemos (21,1 % e 71) e Cidadãos (13,0 % e 32).

Depois de uma primeira sessão falhada de investidura em setembro no parlamento, o Comité Federal dos socialistas decidiu no domingo passado que o partido deve votar “não” na primeira votação à investidura de Mariano Rajoy e abster-se na segunda.

A posição do PSOE viabiliza a formação de um novo executivo liderado por Mariano Rajoy depois de dez meses de impasse político.

O Congresso dos Deputados (parlamento) deverá reunir-se a partir de quarta-feira, esperando-se que uma primeira votação na quinta-feira chumbe a investidura do líder do PP que, no entanto, passaria na segunda votação, prevista para sábado, com a abstenção dos deputados socialistas.

O rei Felipe VI termina esta tarde uma ronda de consultas com todos os partidos com assento no parlamento para verificar se há condições para apresentar Rajoy como candidato à investidura.