Rádio Observador

Orçamento do Estado

Schäuble. Portugal estava no bom caminho até entrar o novo Governo

10.539

Ministro das Finanças da Alemanha decidiu tecer mais considerações negativas sobre Portugal e desta vez vai mais longe, dizendo que Portugal estava no bom caminho até o novo Governo entrar em funções.

AFP/Getty Images

Autor
  • Nuno André Martins

O ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, voltou a fazer das suas e disse esta quarta-feira que Portugal estava a ser bem-sucedido até o novo Governo entrar em funções, numa tomada de posição vincada sobre o país.

Não é de hoje que Wolfgang Schäuble decide tecer duras críticas a Portugal, nem sequer é um exclusivo de Portugal. O todo-poderoso ministro das Finanças da Alemanha, a maior economia da zona euro e que mais peso tem no Eurogrupo, citado pela agência Bloomberg, atirou-se ao Governo socialista de António Costa, dizendo que as coisas começaram a correr mal em Portugal com a entrada do novo Governo em funções.

Portugal estava a ser muito bem-sucedido até entrar um novo Governo, depois das eleições […], declarar que não iria respeitar o que os compromissos com que o anterior Governo se comprometeu”, disse o governante, respondendo a questões dos jornalistas em inglês, numa conferência em Bucareste.

As considerações do governante alemão não se ficam por aqui. Wolfgang Schäuble diz mesmo que avisou o governo português contra os riscos do caminho que está a ser seguido.

Está a acontecer da forma como eu avisei o meu colega português [Mário Centeno] porque eu disse-lhe que se seguirem esse caminho vão correr um grande risco e eu não correr esse risco”, afirmou o governante em Budapeste.

Wolfgang Schäuble dá mais uma achega a Portugal (e não só) dizendo que os Estados-membros têm de respeitar as regras que eles próprios criaram, falando das regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento que impõe limites ao défice e à dívida pública.

De polémica, em polémica, em polémica…

No final de junho o governante criou um incidente diplomático quando colocou a hipótese de Portugal ter de pedir um novo resgate, que seria o quarto, caso não cumprisse as regras. Na versão original em alemão, e de acordo com os jornalistas presentes, o ministro não terá dito a frase no condicional, tendo dito que Portugal havia pedido um novo resgate.

Na altura, ao Observador, o porta-voz de Wolfgang Schäuble garantia que o ministro disse sempre que Portugal teria de pedir um novo resgate, não que o pediu, e apenas caso não cumprisse as regras orçamentais.

Portugal estaria a cometer um erro enorme, se não cumprirem com os compromissos que assumiram. Portugal teria então de pedir um novo resgate. Os portugueses não querem um novo programa e eles também não precisam se cumprirem com as regras europeias”. Esta terá sido a declaração de Wolfgang Schäuble, de acordo com o seu porta-voz, numa conferência em Berlim em que participava também o ministro dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo.

A confusão gerou-se quando um primeiro título da agência Bloomberg – e mais alguns órgãos de comunicação social internacionais – noticiaram declarações do controverso ministro alemão a dar conta que Portugal tinha pedido “um novo resgate e irá tê-lo”.

As declarações levaram a protestos do Governo português, que apresentou um protesto formal em Berlim através do seu embaixador, e em Lisboa convocou de imediato o embaixador alemão para pedir explicações.

A linha dura de Schäuble com Portugal

Mas não é só nas palavras que Wolfgang Schäuble faz sentir a sua ‘frustração’ com Portugal. Depois de aprovado o orçamento para 2016 pela Comissão Europeia em Bruxelas no dia 5 de fevereiro, o governante deu indicações ao seu número dois para que na reunião de preparação do Eurogrupo exigisse um plano de contingência ao Governo português com medidas que o Governo teria de implementar de imediato para que o défice não derrapasse em 2016.

Esse compromisso foi não só aceite pelo Governo português no grupo de trabalho que prepara as reuniões do Eurogrupo, numa conferência telefónica no dia 9 de fevereiro em que participou o secretário de Estado do Tesouro e Finanças, Ricardo Mourinho Félix, como foi aceite dois dias mais tarde na reunião dos ministros das Finanças em Bruxelas, pelo ministro das Finanças, Mário Centeno.

À entrada da reunião dos ministros das Finanças de dia 11 de fevereiro, Wolgang Schäuble, aproveitou mesmo para dizer aos jornalistas que os mercados já estavam a “ficar nervosos” com Portugal e que “seria muito perigoso para Portugal” se o país desse a impressão que está a recuar no caminho percorrido até agora.

Estamos atentos aos mercados financeiros e, como acabei de dizer, acho que Portugal deve prestar muita atenção ao que se passa e não continuar a perturbar os mercados, dando a impressão que quer recuar no caminho percorrido até aqui. Isso sim seria muito perigoso para Portugal. (…) Vamos continuar a encorajar firmemente os nossos colegas portugueses a não se desviarem do caminho de sucesso que tem sido percorrido”, disse.

Curiosamente o ministro respondia a perguntas dos jornalistas alemães à entrada do Eurogrupo, sendo que nenhum deles perguntou sobre Portugal, mas sim sobre as preocupações com a situação do Deutsche Bank, um dos maiores bancos alemães, que já tremia na altura (e agora pior). A única referência do governante a esse respeito é que não havia razão para preocupação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)