803kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

"Contágio sísmico". Porque não para Itália de tremer?

Este artigo tem mais de 5 anos

A história ensina-nos que os episódios sísmicos se podem, em casos extremos, prolongar por anos. E os cientistas garantem que a onda de abalos no centro de Itália vai continuar nos próximos meses.

A região de Norcia foi fortemente afetada pelo terceiro abalo desta sequência sísmica
i

A região de Norcia foi fortemente afetada pelo terceiro abalo desta sequência sísmica

AFP/Getty Images

A região de Norcia foi fortemente afetada pelo terceiro abalo desta sequência sísmica

AFP/Getty Images

Foram três fortes sismos em apenas dois meses. Já sabemos que grande parte do território italiano tem um elevado nível de perigosidade sísmica, devido à localização do país numa zona em que se encontram duas placas tectónicas — em agosto, explicámos porque treme Itália. Mas o que está a causar, este ano, esta sucessão de abalos constantes? E quanto tempo vai demorar esta onda de terramotos?

Para Alessandro Amato, do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV) de Itália, “este terramoto é similar aos outros dois”, visto que “o novo abalo acontece numa zona já ativa”. Citado pelo jornal italiano Corriere della Sera, Amato explica que se trata de “uma espécie de contágio sísmico”, e admite: “acreditamos que, depois deste terceiro abalo, vai haver uma continuação da sequência sísmica, durante semanas e meses, com intensidade variável, e alguns poderão ser significativos”.

Pode dizer-se até “que os dois primeiros sismos foram preparatórios deste, que foi cinco vezes maior do que o de agosto”, explica Amato. É que o sismo deste domingo, apesar de não ter provocado mortos, foi o mais forte das últimas décadas em Itália.

Os epicentros dos três principais abalos (cada um deles teve centenas de réplicas) nos últimos dois meses, todos na região central de Itália

Acontece que a ativação prolongada de um episódio sísmico não é assim tão invulgar. Um sismo é, basicamente, um fenómeno de libertação de energia acumulada nos locais em que as placas tectónicas, que compõem a superfície do planeta, se juntam ou se afastam. Essa energia pode não ser libertada apenas num episódio. Neste caso, já foram três, e os cientistas admitem que poderão vir a ser mais. Tudo depende da quantidade de energia armazenada na falha.

Para Francesco Peduto, o presidente do Conselho Nacional de Geólogos de Itália, foi positivo que a energia não tenha sido libertada toda ao memso tempo. “Podemos imaginar o quão desastroso teria sido se tivesse acontecido tudo de uma vez”, refere o cientista.

A história ensina-nos que estes episódios podem, em casos extremos, prolongar-se por anos. Andrea Tertulliani, também do INGV, recorda ao Corriere que, em 1456, um episódio sísmico abalou o país desde Abruzzo até Calabria, “com uma violência hoje avaliada em cerca de 7,1 na escala de Richter”. Tertulliani sublinha que “foi um dos mais desastrosos da história da península, com mais de trinta mil mortos — depois do abalo principal a terra tremeu durante meses”.

Cinco séculos mais tarde, em 1915, “o sismo de Avezzano manteve-se ativo durante cerca de um ano”. Já em 1997, no sismo de magnitude 6,1 que abalou Colfiorito, “a terra continuou a tremer durante cerca de oito meses, com três abalos relevantes”. Este fenómeno nem é, sequer, exclusivo de Itália, tendo sido já “observado em outras áreas sísmicas da Terra, como por exemplo na Turquia, na Califórnia e no Haiti”, explica, em comunicado, o Conselho Nacional de Investigação italiano.

“Não estamos em condições de prever quando e como esta sequência de terramotos irá abrandar, e não podemos, em teoria, excluir outros abalos fortes, até mais fortes do que os que ocorreram até agora, e em áreas adjacentes às que foram afetadas nos últimos meses”, conclui o conselho dos investigadores italianos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa