Rádio Observador

Orçamento do Estado

Teodora Cardoso. Números do crescimento são uma “surpresa positiva”

153

Presidente do Conselho de Finanças Públicas admite a surpresa com o crescimento da economia no terceiro trimestre, mas reafirma importância de previsões prudentes porque Portugal é muito vulnerável.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Os números do crescimento da economia no terceiro trimestre, divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística, “são uma surpresa positiva”, sublinhou esta quinta-feira a presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP). Teodora Cardoso, que está a ser ouvida no Parlamento sobre o parecer relativo à proposta do Orçamento do Estado para 2017, deixou em aberto a possibilidade de uma revisão em alta da previsão de crescimento da economia portuguesa para este ano do CFP que aponta par 1%, abaixo da expetativa do Governo.

Em resposta a críticas do deputado socialista, João Galamba que desafiou o CFP a rever em alta a previsão de crescimento, Teodora Cardoso esclarece: “Nunca dissemos que a economia não crescia mais de 1%.” O crescimento poderá ser superior, admitiu, e os números do INE são uma “surpresa positiva”. E acrescenta que os nossos documentos orçamentais precisam de criar condições para surpresas positivas, “porque as surpresas costumam ser negativas”. E para isso, sublinha, “temos de ter previsões prudentes”.

A presidente do CFP sublinha que Portugal é um “pais extremamente vulnerável”, o que resulta da combinação de dois fatores: endividamento muito alto e quase todo do exterior e um crescimento muito limitado. “Estes dois fatores tornaram a economia portuguesa extremamente vulnerável e “temos considera isso nas nossas previsões”.

O deputado socialista acusou ainda o parecer do CFP de emitir um “statement político” sobre a origem da crise, considerando que a entidade que fiscaliza as contas públicas não deve emitir a sua visão sobre o tema, até porque há outras que a contrariam. E aqui João Galamba cita o nome de dezenas de economistas internacionais.

“Não me parece, que havendo interpretações distintas, o CFP deve avançar a sua visão no parecer do OE. Não me parece que deva ser esse o papel do CFP, porque faz considerações de natureza política.”

O deputado questiona ainda as criticas do parecer que considera que o OE não vai tão longe quando deveria ir e destaca a omissão sobre o Programa Nacional de Reformas. E deixa ainda um desafio Teodora Cardoso: Se a estratégia não é esta, então qual é?

Na resposta, a presidente do Conselho de Finanças Públicas assume que o parecer sobre o Orçamento do Estado para 2017 tem um statement sobre a origem da crise portuguesa, mas para assinalar as especificidades dessa crise. A economia portuguesa já não estava a crescer antes da crise, apesar das condições de financiamento favoráveis. Isto diz-nos que o “aumento do défice e do financiamento não irá resolver o problema”.

“Portugal precisa de resolver o problema estrutural que se reflete na política orçamental, mas não se esgota aí. Daí que nos pareça importante chamar a atenção para a necessidade do OE anual ser enquadrado num programa de política económica de médio prazo. É por isso que achamos que o OE fica aquém do necessário.”

Teodora Cardoso considera ainda que é positiva a viragem para da política económica para as exportações e para o investimento, mas faltam políticas que sustentem essa viragem. E, sobre o Programa Nacional de Reformas, assinala que “temos o hábito de fazer centenas de medidas, mas falta ter lógica e coerência”. E falta também fazer a sua avaliação à posteriori. “Tivemos uma imensidade medidas, mas não sabemos o seu resultado”.

Para a presidente da CFP, o orçamento “não é um fator de restrição da economia, pelo contrário. Se for bem feito, tem de ser um fator de confiança que é fundamental para atrair o investimento que a economia precisa”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)