A partir de janeiro, Donald Trump passa a ser o novo inquilino da Casa Branca. Mas a mulher, Melania, e o filho, Barron, não vão com ele, de acordo com o New York Post. O jornal nova-iorquino escreve que a futura primeira-dama e o filho vão continuar a viver na Trump Tower, em Nova Iorque, para permitir que Barron continue a frequentar o colégio privado em que estuda. Ainda assim, Melania deverá ser presença frequente na Casa Branca, e está em aberto a possibilidade de Barron se mudar em definitivo, com a mãe, para Washington, D.C., no fim do ano letivo.

Segundo fontes ouvidas pelo New York Post, “a campanha tem sido muito difícil para o Barron, e ela [Melania] está a tentar manter esta rutura no mínimo”. Ainda assim, esclarece outra fonte próxima da família, “a Melania é muito solidária com o marido, e está completamente empenhada em fazer tudo o que for necessária enquanto primeira-dama” — pelo que a mulher de Trump deverá deslocar-se frequentemente à capital.

A permanência da família de Trump em Nova Iorque vai significar um aumento do nível de segurança na cidade, particularmente na Trump Tower. “O edifício vai tornar-se na Casa Branca de Nova Iorque”, explica ao New York Post o antigo comandante das Forças Delta Jim Reese. As operações de segurança em Nova Iorque vão envolver o Serviço Secreto e a polícia da cidade. “O Serviço Secreto terá de manter toda a área cercada, para que um doido não consiga entrar e detonar um carro”, explica o mesmo especialista em segurança.

A Quinta Avenida, em Nova Iorque, já se tornou num dos locais mais complicados da cidade para o trânsito, com duas das vias cortadas. A situação deve permanecer assim nos próximos tempos, incluindo os controlos pedonais que existem nos locais — quem passa na zona protegida tem de mostrar o conteúdo das suas malas às autoridades. Além das medidas de segurança junto ao edifício, tanto Melania como Barron terão uma equipa de agentes do Serviço Secreto a acompanhá-los em permanência. Barron será levado à escola por agentes num veículo blindado.