Startups

Grupo Pestana e startup Inviita propõem férias à medida

456

De um lado, uma startup tecnológica. Do outro, um dos maiores grupos hoteleiros. Entre os dois, há uma relação que já está a dar frutos.

GREGORIO CUNHA/EPA

O grupo Pestana dispensa apresentações: são cerca de 90 hotéis espalhados por todo o mundo, 67 dos quais em Portugal, incluindo as Pousadas de Portugal. A startup Inviita nasceu em 2015, fruto da criatividade de quatro empreendedores: desenvolveram uma aplicação que nos dá sugestões de locais para visitar, viagens para fazer e hotéis para ficar com base nos nossos estados de espírito, ou melhor, “moodies”. Sinta-se mais “foodie”, “artsy” ou “green” e a Inviita fará um roteiro personalizado à medida das suas emoções.

O que se passa então entre este grupo consolidado e uma startup que tem somado prémios desde o início? “O primeiro contacto foi promovido pela Microsoft no evento Ativar Portugal 2016.

Aí fomos apresentados e tivemos a oportunidade de nos dar a conhecer às pessoas mais ligadas à inovação e tecnologia dentro do grupo Pestana, nomeadamente ao António Vargas, que acabou por ter um papel fundamental na concretização da parceria”, começa por desvendar Bernardo Véstia, CMO da Inviita.

Desta parceria, resultou, então, um kiosk interativo que consegue “olhar” para si e dar-lhe um roteiro à sua medida. “A partir de uma fotografia, o sistema consegue detetar com exatidão as características da pessoa, como a idade, o género e a localização, e faz uma lista de sugestões, de acordo com o mood que for identificado pelo utilizador”, salienta Bernardo Véstia.

Gastronómico, romântico, cultura, compras, relax, outdoor e aventura são os moods disponíveis. No final, basta escolher, no kiosk, entre as opções sugeridas, aquelas que vão ao encontro do que apetece “fazer no momento” e enviar esse guia personalizado para o próprio por e-mail, sms ou partilhar com os amigos.

inviita

O kiosk está disponível no Hotel Pestana CR7 – por isso foi batizado de Kiosk Pestana CR7 –, na Baixa de Lisboa, mas esteve no espaço da Microsoft durante o Web Summit, que decorreu na capital entre 7 e 10 de novembro. “Foi um enorme sucesso”, garante Luís Calado de Sousa, Startup Lead da Microsoft Portugal, que vê neste tipo de parcerias um dos objetivos do seu programa Ativar Portugal Startups, no qual a Inviita está integrada. “As pessoas aproximavam-se com curiosidade e acabam por experimentar e receber as recomendações.”

A Inviita usa no kiosk a Azure Cognitive Services, tecnologia da Microsoft, baseada em algoritmos machine learning, para fazer as recomendações de acordo com a pessoa que está à sua frente. “Ao oferecer um serviço altamente personalizado, a Inviita permite poupar tempo e encontrar facilmente os melhores eventos, atividades, lugares de interesse e restaurantes, e reservar tudo com antecedência ao sugerir uma infinidade de opções de lazer e lifestyle, de acordo com o perfil e desejo de cada um”, sublinha Bernardo Véstia.

Foi na reunião de speed dating promovida pela Microsoft entre o Pestana e a Inviita que foi dado o primeiro passo. O apoio deste grupo hoteleiro foi essencial para esta startup: “para além de nos aproximar do maior grupo hoteleiro português, é também uma excelente montra para que novas parcerias possam surgir”, explica o CMO da Inviita.

Mas outros passos seguir-se-ão. Graças a esta parceria, a Inviita lançou também a nova linha de negócio “Powered by Inviita”, que permite às empresas ligadas ao setor turístico, como cadeias de hotéis e companhias de aviação, usar o software de recomendações personalizadas e guias digitais gratuitos da Inviita. É um início de mais uma viagem personalizada à medida da criatividade desta startup.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)