Durante o Festival Sundance poderão ocorrer várias reações contra Trump na pequena cidade de Park City, graças à colaboração do fundador do festival, Robert Redford. Um porta-voz do evento comentou ao jornal El Mundo: “Procuramos sempre um espaço seguro para os artistas. Facilitamos as petições de grupos externos que queiram fazer manifestações no nosso festival”. Ainda que não haja qualquer protesto programado, os representantes do festival vão apoiar qualquer iniciativa contra o Republicano.

Existem ainda outras formas de manifestação “contra o discurso racista de Trump durante a campanha”, disse a organização. Miguel Arteta, realizador porto-riquenho, apresentará o filme “Beatriz at Dinner” e Dee Rees, realizadora afroamericana, será a cara de “Mudbound”, um drama que tem lugar numa plantação de escravos, baseado no livro de Hillary Jordan.

Na edição do próximo ano, o festival terá ainda um programa especial sobre alterações climáticas. Este ano será a primeira vez que o Sundance dedica um programa a um tema em concreto, uma decisão de Robert Redford, um dos grandes apoiantes às medidas a tomar contra o aquecimento global. “Esta é uma das lutas pessoais de Robert”, referiu o diretor do festival, John Cooper.