Bana Alabed, a menina síria de sete anos que utilizava o Twitter para relatar a vida na zona oriental de Alepo, já foi resgatada. A criança, que comoveu o mundo com pedidos de ajuda constantes a partir do centro da guerra, já se encontra a salvo nos arredores de Alepo, confirmou, através do Twitter, o presidente da Sociedade Médica Síria-Americana, Ahmad Tarakji, que está a coordenar a assistência médica aos habitantes resgatados da cidade síria nos últimos dias.

Ao longo dos últimos meses, Bana e a mãe, Fatemah, publicaram naquela conta mensagens, fotografias e vídeos em que davam conta do sofrimento dos habitantes de Alepo, cidade dividida ao meio desde o início da guerra civil, em 2011. Este mês, as forças do regime de Bashar al-Assad lançaram uma ofensiva sobre a zona oriental de Alepo, controlada pelos rebeldes, e conseguiram recuperar o controlo da cidade. Bana e Fatemah encontram-se entre os milhares de habitantes da zona oriental que já foram retirados da cidade, por entre duas tentativas de implementar um cessar-fogo, negociadas entre a Rússia e a Turquia.

A conta de Bana e Fatemah — atualmente com 323 mil seguidores — tornou-se muito conhecida em todo o mundo. No início do mês, no dia em que as forças de Assad invadiram o leste de Alepo, a conta foi subitamente apagada, o que gerou grande agitação na rede social, temendo-se o pior. Antes de a conta desaparecer, a mãe de Bana escreveu: “Temos a certeza de que o exército nos vai capturar agora. Vemo-nos noutro dia, querido mundo”. A conta tornou a aparecer alguns dias mais tarde, e nos últimos dias têm sido várias as mensagens a apelar ao cessar-fogo na cidade.