O rendimento de um jogador de futebol depende muito da sua condição física, pelo que os jogadores são sujeitos a rigorosas dietas e a largas horas de ginásio. No entanto, em alturas como o Natal e o Ano Novo, onde a comida e os doces não faltam, pode ser difícil resistir à tentação. A pensar nisso, a equipa francesa do Montpellier deixou um aviso aos seus futebolistas: nada de abusar! E por cada quilo ganho durante as férias, teriam de pagar uma multa de 1.000 euros.

O controlo da aparência física faz sentido no caso dos modelos e atores, mas se não condiciona o trabalho não é válido” defende Juan Bonilla, especialista em direito laboral, ao Cinco Días.

Mas não é apenas a forma e a imagem dos jogadores de futebol que conta. Mais importante ainda é a sua integridade física. Assim, muitos jogadores estão proibidos de praticar certos desportos, como o esqui e o surf, considerados mais arriscados. Entre as cláusulas mais frequentes estão ainda o impedimento de sair até tarde à noite, pois tem influência na dieta e nas horas de sono.

Mas esta é apenas a ponta do icebergue. Os contratos dos jogadores de futebol revelam-se bastante diferentes dos restantes contratos laborais. Recheados de cláusulas secretas e excêntricas, fazem-nos questionar até onde é que os clubes estão dispostos a ir para proteger os seus melhores jogadores.