Jogos Santa Casa

Santa Casa cria consórcio para explorar jogo online

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa criou um consórcio apenas para explorar o jogo online. Chama-se Sociedade de Apostas Sociais e está apenas dependente da emissão de licença para entrar no mercado.

Pedro Santana Lopes preside à Santa Casa da Misericórdia desde 2012

Pedro Nunes/LUSA

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa oficializou esta quarta-feira a constituição de um consórcio, a Sociedade de Apostas Sociais, destinada a explorar o jogo online, avança o Jornal de Negócios. Os principais acionistas são a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, a União das Misericórdias, mas também outros acionistas minoritários como a Fundação Montepio, a Cáritas Portuguesa e a ACAPO.

De acordo com declarações de Edmundo Martinho, vice-provedor da Santa Casa e presidente do conselho de administração da nova empresa, àquele jornal, a entrada no mercado das apostas online vai acontecer “a muito breve prazo”. Falta apenas a emissão de uma licença da entidade reguladora.

Segundo o Negócios, o consórcio intitulado Sociedade de Apostas Sociais é detido em 54% pela Santa Casa, sendo que a União das Misericórdias Portuguesas detém 16%, a Fundação Montepio 15%, e a Cáritas Portuguesas e a ACAPO (Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal) 7,5% cada.

Em relação ao tipo de jogos online que vão ser explorados por aquele consórcio, Edmundo Martinho disse ao Negócios que a empresa “vai requerer a licença de exploração para apostas desportivas à cota, apostas hípicas mútuas e jogos de fortuna ou azar, sendo que a disponibilização dos diferentes tipos de jogo não está completamente fechada”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos
309

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)