A própria Opel reconhece que é nas marcas de prestígio que se encontra a maioria dos modelos de cariz familiar capazes de oferecer uma condução especialmente dinâmica. Mas também assume que ambiciona alterar esse estado de coisas, colocando o novo Insignia Grand Sport em patamar equivalente de eficácia. E é também por isso que a nova berlina inclui no seu leque de atributos um sofisticado sistema de vectorização de binário, na sua versão dotada de tracção integral e caixa automática de oito velocidades. De que resultará uma dinâmica e um controlo do veículo, em qualquer circunstância, de elevada qualidade, que a Opel pretende referencial para o seu segmento.

Para alcançar esse objectivo, e tendo em conta a complexidade e o peso excessivo dos sistemas convencionais de tracção total e vectorização de binário, a Opel optou antes por um sistema de transmissão integral do tipo Twinster, que se caracteriza por recorrer a uma ponte traseira que dispensa o diferencial, em prol de uma dupla embraiagem. Assim garantindo a repartição variável do binário por cada uma das rodas posteriores, sejam quais forem as condições do piso e o estilo de condução praticado, de forma independente ou em simultâneo.

New Opel Insignia 4x4

Na prática, quando em curva, é enviada maior quantidade de binário para a roda traseira exterior, de forma a inferir uma rotação do veículo no seu eixo vertical, o que aumenta a precisão da resposta às solicitações formuladas pelo condutor através da direcção. Podendo este, inclusivamente, optar entre dois modos de funcionamento do sistema, correspondentes a outros tantos níveis de intensidade da respectiva actuação: “Tour”, em que esta é mais intensa, ou “Sport”, em que o efeito é menor, permitindo ao Insignia descrever as curvas com outra acutilância.

Esta solução acarreta benefícios importantes também no domínio da segurança, ao controlar de forma efectiva a distribuição do torque de acordo com a posição do acelerador, o ângulo da direcção e a aderência das rodas. Tal evita de forma mais eficaz que o veículo rode sobre si mesmo, sem que para isso a velocidade de passagem em curva tenha de ser excessivamente diminuída, o que se traduzirá num comportamento mais neutro, ágil e fácil de dominar.