Donald Trump está a falar numa conferência de imprensa no Departamento de Segurança Nacional, que visitou durante esta quarta-feira, e onde assinou um decreto presidencial onde abre as portas à construção do muro na fronteira com o México. “Vamos manter os criminosos e os traficantes fora”, sublinhou. “Vamos começar a construir o muro de imediato”.

Donald Trump disse que o muro fronteiriço vai ajudar “o México a parar os cartéis de drogas” e que o serviço de patrulhamento de fronteiras vai ter um acréscimo de 5.000 agentes. Além disso, os EUA vão triplicar o número de agentes de alfândega. “Esta parceria com os nossos amigos mexicanos é para melhorar a segurança e as oportunidades económicas“, disse, sem deixar de referir que tem “muita admiração pelo povo do México e muita vontade de se encontrar com o presidente do México em breve”.

Querendo acabar com “a vaga sem precedentes dos imigrantes ilegais”, Trump diz que quer “salvar vidas nos dois lados da fronteira” e que entende que há “uma economia muito forte no México, que é muito boa para os EUA”.

“Acredito que podemos fortalecer as relações entre os dois países a um nível nunca antes visto”, sublinhou o presidente norte-americano.

Trump acrescentou que o muro vai “manter os maus fora, os criminosos, os traficantes” e não perdeu a oportunidade de atacar, uma vez mais, a comunicação social. “Durante anos, os media ignoraram as histórias dos americanos vitimas das fronteiras abertas. A todos, dizemos: nós ouvimo-vos, vemo-vos e nunca mais serão ignorados.”

Dirigindo-se às famílias que perderam os seus entes queridos por causa de crimes cometidos por imigrantes ilegais, as “Angel Moms”, Donald Trump diz que o seu dever mais importante é proteger as vidas dos cidadãos americanos. “O sistema ignorou-os e beneficiou quem infringiu a lei. Estas injustiças acabam hoje.”

Afirmando que “nada” pode tirar a dor que estas famílias sentem, Trump quer que os norte-americanos saibam “que os vossos filhos não morreram em vão”. “Juntos, vamos salvar milhares e milhares de vidas.

“Quando toca à segurança pública, não há lugar à política. Não há republicanos, não há democratas, há cidadãos. Queremos comunidades seguras para toda a gente”, afirmou Trump.

O presidente dos EUA tomou posse a 20 de janeiro. Esta quarta-feira, esteve a visitar o Departamento de Segurança Nacional onde assinou dois decretos presidenciais. Um para a construção do muro e outro para acabar com as cidades santuário, onde vivem vários imigrantes ilegais que são protegidos pela lei.