O presidente do PSD defendeu este sábado que falar da renegociação da dívida portuguesa na situação atual, quando Portugal paga juros elevados para se financiar, é “deitar gasolina em cima da fogueira” e prejudica a economia nacional. Pedro Passos Coelho abordou o tema após a apresentação de Fernando Mendes enquanto candidato social-democrata nas eleições à Câmara Municipal de Arouca.

“Se estamos a pagar mais caro para nos financiarmos, é natural que os investidores comecem a ver crescer alguma desconfiança quanto à nossa capacidade de pagar”, começou por explicar o líder do PSD. “Se a isso se juntar uma conversa do próprio Governo e dos partidos que o apoiam à volta da renegociação da divida, isso é deitar gasolina em cima de uma fogueira”, concluiu.

“Essa é a bordagem não apenas mais inútil, mas também a mais perigosa de todas”, realçou, defendendo que “o importante era o Governo parar com essa conversa e pedir aos partidos que o apoiam que parem também, porque isso vai prejudicar toda a economia portuguesa”.

Pedro Passos Coelho sustenta a sua posição no argumento de que “Portugal foi o país em que o custo da dívida mais aumentou”. “Ao contrário do que se passa noutros países, Portugal paga para se financiar muito mais do que a generalidade dos outros países que têm a mesma moeda e beneficiam da mesma conjuntura económica externa”, afirmou.

“Em 2015, nós já tínhamos conseguido ter, pela primeira vez, um decréscimo do rácio da divida e em 2016 voltou a agravar-se essa situação, o que, associado a um conjunto de medidas que tem sido tomado pelo Governo, tem gerado desconfiança nos mercados”, declarou. Para o PSD, a estabilidade económica do país e da própria Europa também não sai beneficiada de iniciativas como o encontro que hoje reuniu em Lisboa chefes de Estado e de Governo dos países no sul da Europa.

“Não me parece ser muito positivo (…) nem a abordagem mais construtiva”, comentou, acrescentando: “Do que precisamos na União Europeia não é de estar a fragmentar o espaço europeu reunindo os países do sul de um lado, os do norte do outro, etc.”.

“Numa altura como aquela que estamos a viver, com tantas transformações a ocorrer, quer com os Estados Unidos, quer com a saída programada do Reino Unido da União Europeia, o que precisamos é de coesão dentro da Europa – não de reunir grupos e grupinhos”, defendeu Passos Coelho.