Startups

Bloomberg: “Portugal lançava navios, agora lança startups”

366

A "nação pequena que há muito se debate com uma economia estagnada e uma banca stressada" foi a casa mãe da Web Summit e conquistou o jornalista Edward Robinson, da Bloomberg.

A Web Summit decorreu pela primeira vez em Lisboa entre 7 e 10 de novembro de 2016

MIGUEL A. LOPES/LUSA

“Portugal lançava navios, agora lança startups.” É assim que Edward Robinson, jornalista da Bloomberg, arranca o artigo que escreveu sobre o ecossistema de startups português, da “nação pequena que há muito se debate com uma economia estagnada e uma banca stressada”. Como rostos do movimento, as histórias de Jaime Jorge e João Caxaria, da Codacy, de Carlos Silva e Jeff Lynn, da Seedrs, da Hole19, da Uniplaces, da Feedzai ou da CrowdProcess. O palco: a cidade de Lisboa.

Para a Bloomberg, o Instituto Superior Técnico é um dos culpados pela mudança de atitude dos portugueses, porque “está a ensinar aos alunos a arte do empreendedorismo em vez de os direcionar para carreiras em empresas multinacionais”, lê-se. E apesar de considerar que o ecossistema tecnológico ainda é pequeno – com investimentos na ordem de 18,5 milhões de dólares em 2016 -, assinala o “salto” que Portugal deu face ao ano anterior.

Edward Robinson destaca também o papel de João Vasconcelos, secretário de Estado da Indústria e ex-diretor da Startup Lisboa, como “o padrinho” do ecossistema português, e o facto de mais de 50 mil pessoas terem viajado para Lisboa por causa da Web Summit. E escreve que “no que diz respeito a estratégia, as startups portuguesas têm a habilidade de se expandirem internacionalmente logo no início, um traço que está enraizado na história de uma nação de marinheiros e que é uma potência comercial”.

Mas o verdadeiro teste ainda está para vir, escreve Edward Robinson, quando daqui a alguns anos a geração dos fundadores destas startups conseguir rondas mais elevadas de investimento em Silicon Valley, Londres ou Singapura. “Se estes empreendedores regressarem com capital para criar mais produtos, mais empregos e mais riqueza, vão estar a caminhar para que as suas apostas se tornem consistentes.”

Com o Brexit, o domínio de Londres como a principal capital tecnológica da Europa pode vir a sofrer concorrência (portuguesa). “Perder acesso ao mercado único europeu pode fechar os planos de crescimento dos fundadores que tiverem intenções de utilizar o Reino Unido para se expandirem na Europa. E perder os direitos de livre-circulação que permite aos cidadãos da União Europeia estabelecerem-se no Reino Unido também pode afetar”, lê-se.

O ecossistema português de startups tem estado em especial destaque na imprensa internacional. A portuguesa Uniplaces foi destacada pela BBC na segunda-feira e a igualmente portuguesa Knok Healthcare foi considerada uma das 10 startups que está a revolucionar a saúde, pela publicação de referência na área de tecnologia Wired.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)