O Fundo Monetário Internacional (FMI) e os credores europeus chegaram a acordo, entre os dois, sobre o pacote de medidas e metas orçamentais a apresentar esta sexta-feira ao governo grego. A notícia, avançada pela Reuters, cita uma fonte europeia com conhecimento das negociações.

A confirmar-se, este acordo entre duas das três partes envolvidas neste processo, que entrou novamente num impasse, será um bom avanço para evitar que a Grécia chumbe a próxima avaliação e a sua solvência fique em risco. Há vários meses que o FMI e os credores europeus divergem sobre as metas orçamentais que devem ser exigidas a Alexis Tsipras e ao seu governo.

“Existe um acordo para uma frente unida a apresentar aos gregos”, disse a fonte, à Reuters. Falta saber, portanto, se o governo aceita as propostas. Vai haver uma reunião esta sexta-feira em que o plano será apresentado aos gregos — “o que vai acontecer, veremos”.

Ainda não são conhecidos os detalhes sobre este acordo entre credores europeus e FMI. Até agora, os credores europeus têm defendido que a Grécia atinja um saldo primário (saldo orçamental excluindo juros da dívida) de 3,5% ao longo de vários anos. Mas o FMI diz que com as reformas agora em curso a Grécia só atingirá superavits primários de 1,5%, pelo que a sustentabilidade da dívida fica em risco.