O El Dorado quando reluz é mesmo para toda a gente: depois de Carlos Tévez, Óscar ou Witsel, as caras novas do futebol chinês que se juntaram a nomes como Hulk, Jackson Martínez ou Guarín, eis que a última contratação a fazer parar o mercado é… Cristiane.

A brasileira de 31 anos, que conta com mais de 100 internacionalizações, vai reforçar a equipa do Changchun Zhuoyue, terceira classificada do último campeonato, passando também a ser a jogadora mais bem paga do mundo (ainda que não se conheça ao certo os valores envolvidos, por confidencialidade pedida pelo próprio clube) a partir de junho.

Para Cristiane, esta será apenas mais uma aventura de uma carreira que já contou com passagens por Alemanha (Turbine Potsdam e Wolfsburgo), Suécia (Linköpings), Estados Unidos (Chicago Red Stars), Rússia (WFC Rossiyanka), Coreia do Sul (Daekyo Kangaroos) e França (PSG), onde estava desde 2015. No Brasil passou por Juventus, São José, Corinthians, Santos e Centro Olímpico. Em paralelo, a avançada, que se tornou a maior goleadora de sempre em torneios olímpicos no Rio de Janeiro, conta também com duas medalhas de prata nos Jogos, além de ter sido vice-campeã mundial em 2007.

O país tenta assim reforçar o seu campeonato – já existem algumas jogadoras estrangeiras, sobretudo africanas como Asisat Oshoala ou Gaelle Enganamouit das campeãs Dalian Quanjian – por forma a aumentar também a competitividade da seleção nacional, que ficou pelos quartos-de-final no último Mundial e Jogos Olímpicos, além de ter perdido a hegemonia na Taça da Ásia para equipas como Japão, Coreia do Norte ou Austrália.