Rádio Observador

Novo Acordo Ortográfico

Fraca adesão em manifestação de apoio à Academia das Ciências contra o Acordo Ortográfico

Cerca de 70 pessoas juntaram-se junto da Academia das Ciências de Lisboa numa ação de apoio à sua posição quanto ao Acordo Ortográfico de 1990, que exige a revogação da lei.

Autor
  • Agência Lusa

Algumas dezenas de pessoas juntaram-se, esta quinta-feira, junto da Academia das Ciências de Lisboa numa ação de apoio às posições da instituição quanto ao Acordo Ortográfico de 1990 (AO90), que sugere alterações, e exigindo a revogação da lei.

A iniciativa partiu de um grupo de cidadãos organizado através da página de Facebook “Em ação contra o Acordo-Ortográfico” e destinou-se a formar um cordão humano entre a Academia de Ciências e o Tribunal Constitucional, que distam cerca de 270 metros.

A fraca adesão — cerca de 70 pessoas — não permitiu fazer o cordão humano, tendo os presentes optado por caminhar entre as duas instituições. Primeiro na Academia de Ciências de Lisboa, para assinalar recentes iniciativas da instituição científica de propor a revisão do AO90, e depois no Tribunal, porque a questão remete também para, consideram, inconstitucionalidades.

A língua, além do mais, é uma garantia constitucional de todos os cidadãos. Há aqui um atropelo que o poder político vem ignorando olimpicamente. À esmagadora maioria das pessoas repugna-lhe a língua delapidada tal como a vemos escrita”, disse à Lusa uma das organizadoras da iniciativa, Madalena Homem Cardoso.

É que com o AO90, acrescentou, “está a ser estatalmente imposto a uma população a degradação do seu património cultural” pelo que todos os que o seguem são “cúmplices de um crime patrimonial”.

No entender da organizadora, a iniciativa foi “um recado ao poder político” porque tem havido uma “escandalosa inversão de papéis”: são os académicos, os especialistas da língua, que pedem para ser recebidos na Assembleia da República para alertar para “as sequelas do AO90”, e o poder político não quer ouvir a Academia de Ciências, quando a Academia é o órgão de consulta dos órgãos de soberania em matéria de língua.

Considerando que o AO90 é mau, presta um mau serviço e induz as crianças em erros, Madalena Homem Cardoso disse que é inevitável acabar com o AO90, até porque é insustentável e “uma verdadeira lástima” a nível científico.

Entre os críticos do AO90 também o fadista João Braga, que resumiu assim os objetivos da iniciativa: “aplaudir as posições da Academia de Ciências e esfrangalhar esta aberração que impuseram aos portugueses”.

E depois outros mais, poucos jovens, poucas palavras de ordem, uma bandeira de Portugal e um cartaz com uma fotografia do ministro dos Negócios Estrangeiros e a frase “Santos Silva és bestial, vai para a Guiné Equatorial”. Na semana passada o ministro não comentou as propostas de alteração feitas pela Academia de Ciências de Lisboa afirmando que não é o momento para se modificar o Acordo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)