Rádio Observador

Angola

UNITA pede ponderação na preparação da visita de António Costa a Angola

A UNITA pediu ponderação na visita do primeiro-ministro português a Angola, recordando que o país já está em pré-campanha para as eleições de agosto.

A posição foi transmitida depois do ministro dos Negócios Estrangeiros Augusto Santos Silva ter admitido que António Costa poderia visitar Angola esta primavera

Autor
  • Agência Lusa

A UNITA pediu ponderação na preparação da visita do primeiro-ministro português a Angola, recordando que o país já está em pré-campanha para as eleições gerais de agosto e receando a conotação com um apoio ao partido no poder.

A posição foi transmitida à Lusa, esta sexta-feira, pelo porta-voz da União Nacional para Independência Total de Angola (UNITA), Alcides Sakala, depois de o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, ter admitido, em Luanda, que a visita de António Costa ao país poderá ocorrer ainda nesta primavera. “Nós entendemos que é preciso muita, muita ponderação, porque se de um lado a cooperação entre Estados é necessária, por outro lado Angola está a viver um período de pré-campanha”, disse Sakala.

A UNITA pretende desde já salvaguardar que as visitas – além do primeiro-ministro, também se prevê a posterior deslocação oficial do Presidente da República – “não configurem um apoio político ao partido no poder”, num momento que é, defendeu, de “uma espécie de Governo de gestão” em Angola. “É preciso muita ponderação relativamente a esses programas que eventualmente se venham a preparar, de visita ao nosso país. Angola está numa fase de transição e vivemos já um período muito intenso de pré-campanha”, advertiu o porta-voz da UNITA. “Queremos evitar o que aconteceu com o doutor Cavaco Silva em 1991, que, enquanto primeiro-ministro [português], foi utilizado pelo MPLA, apresentando-o num comício, no Moxico [província angolana]”, recordou Sakala.

As eleições gerais em Angola estão previstas para agosto próximo e o cabeça-de-lista do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido no poder desde 1975, será o atual ministro da Defesa Nacional, general João Lourenço, que inicia esta sexta-feira, no Lubango, província da Huíla, a sua pré-campanha eleitoral. No poder em Angola desde setembro de 1979, José Eduardo dos Santos já não será candidato do MPLA nestas eleições e não integra qualquer lista. “Não colocamos em causa as relações entre os dois Estados, obviamente, mas os timings’ têm que ser devidamente ponderados”, concluiu o deputado e porta-voz da UNITA.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português disse, na segunda-feira, em Luanda, que a visita do primeiro-ministro de Portugal a Angola poderá ocorrer ainda nesta primavera, depois dos contactos efetuados durante a sua visita de três dias ao país. Augusto Santos Silva manifestou a sua satisfação pelos resultados da visita, reiterando as relações “muito densas e ricas” entre os dois países, nas áreas político-diplomática e económica.

Segundo o chefe da diplomacia portuguesa, a sua visita a Angola visou fazer a síntese de vários encontros setoriais, de preparação para a visita do primeiro-ministro, que por sua vez criará as condições para a visita de Estado do Presidente da República português. “O que nós acertámos basicamente nas conversas havidas, quer a nível dos dois ministros das Relações Exteriores, quer depois na minha conversa na audiência que o Presidente da República me concedeu, o que nós conviemos foi que marcaríamos a visita para a primeira data possível. A minha expectativa é que a visita do primeiro-ministro de Portugal a Angola se realize ainda nesta primavera”, referiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)