Rádio Observador

Restaurantes

Infame. Um restaurante de hotel? Não, um restaurante com hotel

Se em Lisboa ainda persistem preconceitos contra restaurantes de hotel, que tal mudar a preposição e criar um restaurante com hotel? É um pouco isso que acontece com o Infame e o 1908 Lisboa Hotel.

Autor
  • Tiago Pais

Estamos em 2017, já inventámos formas de estacionar o carro com o telemóvel e uma Barbie versão holograma, mas a expressão restaurante de hotel ainda provoca esgares de desconfiança entre muitos adeptos da comezaina. O fenómeno é antigo, já foi amplamente discutido, e apesar de não faltar quem o queira combater — a recente Pineapple Week, por exemplo, teve esse propósito –, continua a afetar todos os restaurantes que não se conseguem emancipar das unidades que os albergam.

Assim, é natural que essa emancipação se processe, cada vez mais, à nascença. Uma tendência que começou com a dupla The Decadente e The Insólito, ambos do mesmo grupo, prosseguiu com o Bastardo e, mais recentemente, com o Café Colonial, e ganha agora novo ímpeto e significado com este Infame, inaugurado no último dia de janeiro, duas semanas antes do hotel de que faz parte, o 1908 Lisboa Hotel.

O 1908 Lisboa Hotel fica num edifício de autoria do arquiteto Adães Bermudes, distinguido com o prémio Valmor nesse mesmo ano. (foto: © Divulgação)

Não se desvalorize, porém, o dito hotel, que ele não merece a desfeita: instalado num belíssimo e bem recuperado exemplar de Arte Nova de autoria do arquiteto Adães Bermudes, prémio Valmor de 1908, trata-se de um quatro estrelas superior, com 36 quartos. Um deles, The King of Dome, exibe uns enormes janelões e faz uso da magnífica cúpula do prédio. Noutros, a vista para a rua é oferecida por umas pequenas e castiças janelas arredondadas, a lembrar as escotilhas de um navio.

Ao longo de todo o edifício, do bar ao elevador, instalado no antigo saguão, destacam-se uma série de obras de artistas como Bordalo II, SuperVan, David Oliveira e os Irmãos Marques, que reinterpretaram, cada um à sua maneira, a sua história e vida boémia fruto, em boa parte, da localização, o Largo do Intendente.

No quarto King of the Dome tem-se acesso a uma mezzanine que aproveita a cúpula do prédio. (foto: © Divulgação)

Mas o Infame quer afirmar-se em Lisboa e perante os lisboetas como um restaurante em causa — ou em casa — própria. Daí ser possível, neste caso, inverter a formulação habitual: o Infame não será o restaurante do 1908 Lisboa Hotel, mas o 1908 Lisboa será o hotel do Infame. E porquê? Para começar, pela própria lotação: 80 lugares — que serão mais de uma centena assim que a esplanada estiver pronta — para apenas 36 quartos. Depois, pela entrada e designação independentes, pelas janelas enormes da cozinha e da sala, à vista de quem passa na rua, e pelo conceito gastronómico muito mais virado para Lisboa e, sobretudo, para o bairro em que se situa, do que propriamente para os cânones hoteleiros.

A decoração mistura o ambiente industrial com um mosaico hidráulico idêntico ao que fazia parte do projeto original do edifício. (foto: © Divulgação)

O responsável pela cozinha tem experiência nisto de separar as águas entre hotel e restaurante: Nuno Bandeira de Lima, antigo chefe executivo da dupla The Decadente e The Insólito assina uma carta muito inspirada pela vizinhança. “Quis saber a história deste bairro, andei a experimentar os restaurantes aqui à volta”, revela. A salada Martim Moniz (7€), por exemplo, é inspirada pelos restaurantes clandestinos do bairro homónimo. Já o Mi Dai, uma cantina muito frequentada pela comunidade chinesa, fê-lo arriscar numa beringela recheada com pasta de arroz, a pasta Valmor (11€). E da ida aos restaurantes do Bangladesh, que também os há, resultaram as veggie pakoras (7€), uns pastéis de legumes primos afastados da patanisca.

Nas carnes e peixes combinam-se matérias-primas habituais, como o atum, o polvo, o borrego ou a barriga de porco com muitas especiarias e acompanhamentos asiáticos. “A ideia é misturar proteína portuguesa com guarnições orientais”, explica Nuno, que promete alterações na carta assim que chegar o calor. “Nessa altura vamos mexer, pode por exemplo sair o pho [sopa vietnamita] para entrar um gaspacho asiático.” Nas sobremesas, referência obrigatória ao bolo de tâmara com caramelo de uísque e gelado de lúcia-lima. A designação homenageia os tempos em que, naquele mesmo espaço, os quartos se alugavam à meia hora de cada vez: Má-Vida (5€).

O atum Infame (16€) é grelhado, servido com guacamole, cevada e papaia verde. (foto: © Tiago Pais / Observador

Ao almoço, a carta perde protagonismo perante o menu de almoço: 12,50€ por entrada, prato do dia, sobremesa, bebida e café. Entre as horas das refeições principais, é possível explorar a carta de snacks, que inclui, por exemplo, um hambúrguer de black angus em brioche, uma sanduíche de camarão com malagueta — “é como se o estivéssemos a comer al ajillo mas dentro de pão”, ilustra Nuno — e uma outra de pá de porco. O pequeno-almoço, servido entre as 07h30 e as 10h30, também está aberto ao público. “Este é um restaurante completamente virado para quem vem de fora”, reconhece a diretora do hotel, Margarida Almeida. Tanto assim é que por vezes acontece a equipa da cozinha estar a trabalhar e haver quem bata no vidro a perguntar o que estão a preparar. “Há uns dizem que vão entrar para provar”, conta Nuno. Eles que entrem, as portas estão abertas.

Nome: Infame
Morada: 1908 Lisboa Hotel, Largo do Intendente, 6 (Lisboa)
Telefone: 21 880 4008
Horário: Todos os dias, das 12h às 15h e das 19h às 22h. Às sextas e sábados, ao jantar, a cozinha fecha às 23h.
Preço Médio: 12,50€ (almoço); 25/30€ (jantar)
Reservas: Aceitam
Site: www.infame.pt / 1908lisboahotel.com

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pais e Filhos

Um pai do século XXI

David Gaivoto

Ao longo da minha experiência enquanto pai tenho também aprendido que por vezes são eles que nos educam, por vezes são eles que nos apelam à nossa consciência com a sua gigante e preciosa inocência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)