Um novo tratamento com células estaminais pode ajudar a combater a disfunção erétil em homens que tiveram cancro da próstata, noticia a France-Press. Na primeira fase de testes, 8 em 15 homens conseguiram ter sexo seis meses depois de terem feito um único tratamento, sem recurso a medicamentos ou implantes. De acordo com a agência noticiosa, esta é a primeira vez que um estudo, efetuado há apenas um ano, é capaz de mostrar que um tratamento é duradouro e seguro.

Para realizarem o tratamento, os médicos retiram células do abdómen dos pacientes, que são depois alvo de um curto tratamento que lhes permitirá transformarem-se em quaisquer células especializadas do corpo. “Não criamos as células e não as alteramos”, explicou à France-Presse a investigadora dinamarquesa Martha Haahr, que liderou o estudo, cujos resultados serão anunciados durante uma conferência em Londres, no domingo.

As células são depois injetadas com uma seringa no pénis, onde começam espontaneamente a transformar-se noutro tipo de células (nervosas, musculares, entre outras). O processo é feito com uma anestesia geral, e os homens recebem alta no dia seguinte, como explica a agência de notícias francesa. Os resultados dos primeiros tratamentos têm sido tão bons que as autoridades de saúde dinamarquesas já autorizaram a chamada fase três do estudo, durante a qual um grupo de homens será injetado com células estaminais e outro com placebos.

De acordo com a France-Presse, o cancro da próstata é responsável por cerca de 13% dos casos de disfunção erétil.