Rádio Observador

Venda do Novo Banco

BE diz que entrega à Lone Star é “um erro”

131

Um "fundo abutre", que pode vir a aumentar muito as perdas públicas - foi nestes termos que Catarina Martins se referiu à Lone Star e à decisão do Governo de lhe entregar o Novo Banco.

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Em declarações aos jornalistas em Foros do Arrão, Ponte de Sor, à margem de um almoço de apresentação dos candidatos autárquicos às câmaras de Alter do Chão, Portalegre e Ponte de Sor, Catarina Martins disse que a Lone Star “não vai pagar nada pelo Novo Banco, os contribuintes não vão receber nada do que já perderam com o Novo Banco e a resolução do BES [Banco Espírito Santo] e o Estado assume obrigações para o futuro (…) onde os contribuintes podem vir ainda a perder mais. É um erro”.

A norte-americana Lone Star vai realizar injeções de capital no Novo Banco no montante total de 1.000 milhões de euros, dos quais 750 milhões de euros logo no fecho da operação e 250 milhões de euros até 2020, foi anunciado na sexta-feira.

“Acontece que o Governo não tem nenhum poder na sua gestão”, disse Catarina Martins, tendo referido que, “pegar num banco, não mandar nele e entregá-lo a um fundo abutre é um erro“, para o qual o BE “avisou o Governo”.

A coordenadora do BE lembrou que o partido defendeu “outra solução que quebrasse o ciclo de limpar bancos privados com dinheiros públicos para voltar a entregar a privados”, tendo referido que o BE esteve “disponível desde o primeiro momento para a decisão da nacionalização”.

Segundo Catarina Martins, a nacionalização era uma “decisão difícil”, mas “era a solução mais barata no futuro”, insistindo na “obrigação de acabar com a sangria de dinheiros públicos para bancos falidos” e na “necessidade de levar o assunto à Assembleia da República”.

Perante cerca de uma centena de pessoas, a coordenadora do BE apresentou três candidaturas autárquicas no distrito de Portalegre, sendo José Carita Monteiro, bancário aposentado, 65 anos, cabeça de lista à Câmara Municipal de Alter do Chão; Rui Cunha, fotógrafo profissional, é o candidato independente à Câmara de Portalegre; e António Ricardo, 65 anos, técnico de realojamento social aposentado, cabeça de lista à Câmara Municipal de Ponte de Sôr.

O Novo Banco foi criado como banco de transição na sequência da resolução do Banco Espírito Santo (BES) em agosto de 2014.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Banca

Novo Banco, velhos problemas

Helena Garrido

As acusações de má gestão que a Comissão Europeia faz ao Novo Banco têm de ser levadas a sério. Ou Bruxelas anda a brincar com coisas sérias.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)