O presidente do Porto Vascular Conference, que se realiza na sexta-feira e no sábado, disse esta quinta feira que atualmente “mais de 70% dos procedimentos cirúrgicos são por via percutânea” o que “representa uma mudança de paradigma” no tratamento do doente vascular.

Muitas das intervenções são feitas por cateterismo, por via endovascular, são minimamente invasivos, com anestesia local e com tempos de internamento muito reduzidos, e isso é, obviamente, uma transformação enorme em relação à situação que se vivia há não muitos anos”, afirmou Armando Mansilha, docente da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Em declarações à Lusa, a propósito do encontro que se realiza na Faculdade de Medicina do Porto, com a participação de cerca de 800 profissionais que trabalham na área, Armando Mansilha considerou tratar-se de “uma mudança de paradigma no tratamento do doente vascular, do ponto de vista cirúrgico e de intervenção”.

Do ponto de vista mais médico, daquilo que tem a ver com a política do medicamento, quero realçar que teremos duas sessões exclusivamente dedicadas à utilização dos novos anticoagulantes orais de ação direta. Estes novos medicamentos são importantes para várias especialidades, daí que sejam duas sessões, com envolvimento da medicina interna, da cardiologia, da neurologia, da oncologia médica, da medicina geral e familiar e da angiologia e cirurgia vascular”, salientou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De acordo com o especialista, “são dois painéis, muito multidisciplinares e muito dedicadas à trombose e anticoagulação e à importância que têm em termos de mortalidade cardiovascular a nível mundial”.

É uma doença que continua a matar, a trombose venosa profunda e a embolia pulmonar matam, temos de tratar eficazmente em fase aguda para evitar a mortalidade e temos que também tratar eficazmente e com a duração certa para evitar que haja recorrências”, sublinhou.

Segundo explicou à Lusa, o encontro “está muito vocacionado para a patologia vascular periférica, mas não é exclusivamente dedicado a médicos, é dedicado aos profissionais de saúde envolvidos em todo este processo do tratamento do doente vascular”.

Está representada não só a angiologia e cirurgia vascular, mas também a medicina geral e familiar e os nossos enfermeiros dedicados à cirurgia vascular e os técnicos de diagnóstico vascular”, sustentou, referindo que no total haverá 18 sessões e nove workshops práticos.

De acordo com Armando Mansilha, haverá ainda a oportunidade para apresentar alguns dos destaques das guidelines, que foram publicadas este ano no tratamento da doença aneurismática da aorta torácica.

Hoje temos cada vez mais conhecimento, cada vez mais tecnologia que nos permite que a inovação seja muito rápida e todos os anos temos coisas diferentes, em termos do tratamento minimamente invasivo para tudo o que é doença venosa ou doença arterial”, acrescentou.

O Porto Vascular Conference conta com 27 palestrantes internacionais de 10 países diferentes e vai decorrer no auditório do Centro de Investigação Médica da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.