O Governo português pediu, esta terça-feira, autorização aos seus parceiros europeus no Conselho Ecofin, em Bruxelas, para pagar antecipadamente ao Fundo Monetário Internacional (FMI) cerca de 10 mil milhões de euros dos empréstimos concedidos durante o programa de assistência financeira.

“Depois de ontem (segunda-feira) ter sido anunciada a proposta da Comissão de que Portugal saia de défice excessivo, hoje pedimos na reunião do Ecofin aos nossos parceiros europeus autorização para um novo «waiver» que nos permita pagar ao FMI antecipadamente, e antes das tranches europeias, cerca de 10 mil milhões de euros”, anunciou o secretário de Estado das Finanças, no final de uma reunião dos ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin).

Ricardo Mourinho Félix apontou que o pagamento antecipado ao FMI de cerca de 10 mil milhões de euros permitirá, por um lado, “fazer uma gestão dos pagamentos mais equilibrada no futuro”, o que “facilitará seguramente o financiamento”, e por outro lado permitirá ter “uma gestão da maturidade da dívida adequada e com um custo incomparavelmente mais reduzido”.