“Temos de ter os pés bem assentes no chão. Contudo, teremos equipa para lutar por títulos. Já me imagino no Pavilhão João Rocha com as bancadas lotadas”, comentou Miguel Maia em declarações ao site oficial do Sporting. O voleibol está de regresso ao clube 22 anos depois da sua extinção e o primeiro reforço para o projeto foi o multicampeão de 46 anos, que representou os leões nos anos 90 e estava agora no Sp. Espinho. Ele será o capitão. E o baluarte para tentar atacar todas as competições nacionais. A rivalidade Benfica-Sporting vai conhecer mais um capítulo nos pavilhões (ou retomar, como acontecia nos anos 90), até porque os encarnados conquistaram esta temporada o título de campeões.

“Com esta aposta no voleibol, o clube dá mais um passo seguro na sua caminhada para a glória, reforço do ecletismo e dignificação dos seus princípios e valores de que nunca abrirá mão”, explicaram os leões em comunicado, sem anunciar, para já, mais nenhum dos nomes que fará parte do plantel para a próxima época.

Ainda assim, e segundo apurou o Observador, o plantel já estará praticamente fechado. Será constituído por jogadores na sua larga maioria a alinharem em Portugal (portugueses ou estrangeiros), mas haverá dois reforços que chegarão no Brasil: Robinho e Renan Purificação. O primeiro falou à imprensa local sobre o novo projeto ainda antes da apresentação oficial. “Estou fechado com o ‘time’ do Sporting. Estou muito feliz com essa nova empreitada e uma coisa que me motiva bastante são novos desafios, ainda para mais sendo a primeira vez que jogo fora do Brasil. Já tive outras oportunidades antes, mas agora sinto-me mais preparado. Vou procurar os meus objetivos, mas quero alcançar os objetivos do clube que vou representar”, disse o central de 2,05 metros ao Espaço do Vôlei. O segundo atuava no SESC, do Rio de Janeiro, e ganhou este ano a Superliga B.

“Com esta aposta no voleibol, o clube dá mais um passo seguro na sua caminhada para a glória, reforço do ecletismo e dignificação dos seus princípios e valores de que nunca abrirá mão”, explicou o Sporting em comunicado

Do mercado nacional, deverão chegar também do Sp. Espinho mais três jogadores: o central Fabrício Silva, o atacante João Simões e o líbero Hugo Ribeiro. A esses vão juntar-se o libero João Fidalgo (São Mamede), o distribuidor José Monteiro (Fonte Bastardo) e o atacante Lourenço Martins (Castêlo da Maia). Fala-se ainda de Roberto Reis (Benfica) e Afonso Reis, havendo ainda espaço para mais um jogador estrangeiro.

Existem apenas dois pontos por confirmar: a possibilidade de Hugo Silva, atual selecionador nacional, ser o treinador do conjunto verde e branco; e, sobretudo, a hipótese de fixação da equipa no Norte (fala-se em Fiães), treinando em Alvalade apenas nas vésperas dos jogos, que serão realizados no novo pavilhão dos leões.

Como explicámos no sábado, quando demos conta da rescisão de Tiago Pereira com o Benfica dois dias depois de assinar, os encarnados, atuais campeões nacionais, estão a reforçar muito e bem o plantel para a próxima temporada, tendo já assegurado dois reforços estrangeiros (Milija Mrdak e Miroslav Gradinarov) e um internacional português (Filip Cveticanin), procurando ainda mais um elemento de zona 4 para fechar o plantel. Já o Fonte Bastardo e o Sp. Espinho, os grandes rivais das águias nas últimas épocas, deverão ter orçamentos um pouco mais baixos para a nova temporada. Será que teremos mais um Benfica-Sporting na final de outra modalidade?

https://www.youtube.com/watch?v=mgIhnfVo_iw

O Sporting extinguiu o voleibol em 1995, numa altura em que a direção comandada por Pedro Santana Lopes cortou também o hóquei em patins e o basquetebol através de um referendo onde os sócios poderiam salvar apenas uma modalidade de pavilhão (que acabou por ser o andebol).

Até aí, o Sporting tinha conquistado cinco Campeonatos: dois na década de 50, quando um dos jogadores de proa da equipa era Mário Moniz Pereira, e três no início dos anos 90 (1992, 1993 e 1994) com Miguel Maia na equipa. Além disso, o clube conta ainda com três Taças de Portugal (a última em 1995, quando a secção fechou) e outras tantas Supertaças.