Marcelo Rebelo de Sousa

A foto que inspirou o “retrato oficial” de Marcelo

1.746

António Bessa, o mestre assim assim, pintou um retrato de Marcelo. O Presidente viu, gostou e sugeriu que pudesse vir a ser o seu retrato oficial. A obra é inspirada numa fotografia tirada em 2015.

LUSA

Fique cinco ou dez anos, Marcelo já tem um “retrato oficial” para a Galeria dos Presidentes quando terminar o mandato. Foi um mestre “assim assim”, um desconhecido do Porto, que o pintou. António Bessa inspirou-se em duas fotografias, onde Marcelo aparecia pensativo, e alterou-lhe o sorriso por considerar que retratava mais o “Presidente do povo”. O Observador falou com o autor das fotografias que inspiraram o quadro. Orlando Almeida, fotógrafo da agência Globalimagens, diz que está “contente” por o pintor “ter encontrado naquela foto as características que reconhece no Marcelo“.

Marcelo Rebelo de Sousa foi fotografado durante uma entrevista concedida ao Diário de Notícias a 29 de julho de 2015, quando ainda não se assumia como candidato à Presidência da República. “Ele não assumia, mas já toda a gente sabia que seria”, conta Orlando Almeida. Foi naquele momento que está a origem da origem daquele que pode ser o retrato oficial de Marcelo. O fotógrafo vê que “até o reflexo e a luz” no quadro é igual à fotografia, mas afirma que a pintura “é boa e o mérito é todo do pintor”. Orlando Almeida reconhece que não conhecia o pintor: “É desconhecido? Então somos dois artistas desconhecidos“.

Uma das duas fotos de Orlando Almeida que inspirou António Bessa.

Orlando Almeida diz que “até à cabeça o quadro podia ser uma representação da fotografia”, mas na foto o “Presidente não está sorrir”. Isso já foi uma interpretação do pintor. António Bessa explica que representou o “presidente dos afetos” de frente “para o povo” e “com as pessoas a apreciar ao passar na rua”. E confirma que usou duas fotografias para se inspirar. Preferiu, segundo descreveu à Lusa, o “presidente sorridente ao invés do presidente com ar pensativo” e à medida que executava a obra, as pessoas interagiam consigo exatamente dando-lhe abraços.

O chefe de Estado visitou esta sexta-feira a galeria de António Bessa, no Porto no meio de uma agenda “muito atrapalhada”, como descreveu à Lusa o pintor que recebeu Marcelo Rebelo de Sousa cerca das 13h30 depois deste ter “disparado rua acima” alertado por “uma senhora que passava por ele e lhe contou que um mestre assim assim tinha um retrato dele na montra”.

“Ele chegou com os seguranças todos atrás, entrou com a Guarda Civil e a assessoria toda, surpreendeu-se com o quadro e surpreendeu-me a mim. Disse-me que gostava que este fosse o seu retrato oficial e perguntou aos assessores como podia levá-lo. Eu sugeri ‘oh presidente se quiser eu levo-lho a casa’. E ele convidou-me a ir a Lisboa. ‘Traga-mo até ao final do mês’. Eu fiquei sem fala: ‘oh meu Presidente, isso é uma maravilha. Fica combinado’, disse-lhe”.

Fonte da Presidência da República explica ao Observador que “não é garantido que este seja, no final do mandato, o retrato oficial“, sendo “apenas uma possibilidade“. Por regra, perto do final do mandato os presidentes pedem a um pintor que os retrate. O retrato oficial de Jorge Sampaio, por exemplo, é da artista Paula Rego.

Voltando à obra de António Bessa, esta tem 1 metro e 40 centímetros de altura por um metro de largura. No centro de uma tela pintada a óleo que demorou cerca de dois meses a executar, está Marcelo Rebelo de Sousa sentado numa escada “exatamente como ele é, informal e com ar sorridente”, descreveu António Bessa. Por baixo, num quadro de lousa, lê-se “Marcelo R. Sousa – Presidente de um povo é ser povo”. Em frente, um enorme de vidro faz a ponte entre a galeria/ateliê do mestre António Bessa e uma das ruas mais movimentadas do coração da cidade do Porto.

É no número 314 da rua do Almada que “mora” o quadro que Marcelo Rebelo de Sousa, que está de visita a Porto para presidir às comemorações do 10 de Junho, pondera escolher para o representar no fim do mandato, colocando-o na galeria de retratos do Museu da Presidência da República.

António Bessa, 63 anos, pintor “desde que se conhece por gente”, decidiu pintar Marcelo Rebelo de Sousa quando há um ano se cruzou com o chefe de Estado num jardim da Foz do Porto e este lhe deu um abraço. “Ele agora queria comprar-me o quadro mas eu prometi retrata-lo porque senti aquele abraço como um abraço vindo do povo. Este presidente é um fenómeno”, descreveu o pintor que, questionado sobre quais as palavras de Marcelo Rebelo de Sousa ao visitar a galeria, contou ter ouvido do Presidente da República a frase: “Este quadro é de todos os quadros que me pintaram, o mais fiel”.

O desejo de estar visível e de interagir com o público já o fez pintar um olho na caixa de correio de um dos seus ateliês antigos, convidando quem passava a espreitar o seu trabalho que inclui retratos de quatro outros presidentes, o da câmara do Porto, Rui Moreira, de Guilherme Pinto, o presidente da câmara de Matosinhos que morreu este ano, do presidente da Câmara de Arouca, José Artur Neves, e do presidente do FC Porto, Jorge Nuno Pinto da Costa.

Estes são retratos que fazem parte da sua mais recente exposição “Quatro presidentes e três cidades” que junta aos quatro “quadros presidenciais”, telas sobre três cidades — o Porto do seu coração, Matosinhos, onde reside, e Arouca de onde é a sua esposa — num total de 16 obras.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
381

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)