Santos Populares

PSP reforça dispositivo para as Festas de Lisboa com “presença policial constante”

A Polícia de Segurança Pública garantiu que esta sexta-feira que vai existir "um efetivo policial condizente com as exigências" de segurança das Festas de Lisboa.

Momento alto das Festas de Lisboa, a noite Santo António, de 12 para 13 de junho, traz às ruas da cidade não só lisboetas como também um grande número de visitantes para festejarem

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

A Polícia de Segurança Pública (PSP) garantiu esta sexta-feira que vai existir “um efetivo policial condizente com as exigências” de segurança das Festas de Lisboa, indicando que a presença de elementos policiais será “constante” em diferentes pontos da cidade.

Em resposta à agência Lusa, a PSP assegurou que vai adotar o dispositivo policial “em função das variáveis que existem em torno das Festas da Cidade de Lisboa e que têm na noite de dia 12 para 13 de junho maior expressão”, escusando-se a revelar se haverá um reforço policial associado aos recentes atentados terroristas na Europa.

Momento alto das Festas de Lisboa, a noite Santo António, de 12 para 13 de junho, traz às ruas da cidade não só lisboetas como também um grande número de visitantes para festejarem e participarem nos arraiais dos bairros populares e assistirem ao desfile das marchas na Avenida da Liberdade.

De acordo com a PSP, na noite de Santo António, o policiamento vai incidir, numa primeira fase, nas artérias que confluem para a Avenida da Liberdade, com o condicionamento de trânsito a partir das 18h00, estando completamente cortado desde cerca das 19:00, devido ao desfile das marchas na Avenida da Liberdade.

Após a descida de todas as marchas populares na Avenida da Liberdade, o policiamento vai estar “mais presente nos bairros típicos da cidade de Lisboa, mormente a Mouraria, Castelo, Alfama, Bica e Bairro Alto”, referindo que são “de esperar grandes constrangimentos de trânsito para estes bairros logo na manhã do dia 12 de junho para montagem de arraiais”.

A PSP afetará em regime remunerado e de ordem pública, um efetivo policial condizente com as exigências que uma noite como estas manifestamente necessita”, reforçou à Lusa o organismo responsável pela segurança pública.

Neste sentido, a PSP afirmou que “a população terá uma presença policial constante em diferentes pontos da cidade, com maior incidência nas zonas de aglomeração de pessoas”.

“Subsidiariamente a este policiamento mais dedicado para as Festas de Lisboa, a PSP manterá os normais níveis de resposta e de policiamento nas restantes zonas da cidade”, revelou a estrutura policial.

A Lusa questionou a Câmara de Lisboa se está previsto um reforço do dispositivo devido aos recentes atentados terroristas na Europa e quantos profissionais vão estar envolvidos na segurança das Festas de Lisboa, nomeadamente elementos da Polícia Municipal e dos bombeiros, mas não obteve resposta.

Já a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), responsável pela organização das Festas de Lisboa, disse à Lusa que “todas as questões de segurança, e neste caso em particular, no espaço público, são e sempre foram da responsabilidade das forças de segurança”.

“A EGEAC age em conformidade com o determinado pelas entidades competentes e cabe à EGEAC acatar e cumprir as orientações emanadas”, sustentou a empresa municipal de Lisboa.

No âmbito da apresentação do programa das festas, em 23 de maio, a presidente da EGEAC, Joana Gomes Cardoso, recusou avançar com um reforço da segurança habitual devido aos recentes atentados terroristas, defendendo que se deve “evitar uma situação de constrangimento securitário que faça as pessoas sentir medo”.

“Fazer estes grandes eventos de espaço público em aberto quase que se torna já um ato de resistência”, declarou a presidente da EGEAC, referindo que os recentes atentados têm que ser interpretados como “uma motivação maior para continuar a fazer mais ainda”.

A decorrer desde 01 de junho, as Festas de Lisboa vão animar a cidade até 1 de julho.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)