Estados Unidos da América

Aprovada lei de Trump que prende imigrantes que reentrem no país sem documentos

317

Os imigrantes que regressem aos EUA sem documentos podem enfrentar até 10 anos de prisão. A lei aprovada retira também fundos às cidades que ajudem os imigrantes ilegais.

As leis seguem agora para o Senado para serem aprovadas

Molly Riley-Pool/Getty Images

A Câmara dos Representantes aprovou duas leis que incidem sobre a imigração ilegal, um dos assuntos que Donald Trump mais tenta combater. A lei foi aprovada na última quarta-feira vem permitir a prisão até 10 anos de imigrantes que voltem aos Estados Unidos sem documentos depois de ser deportados. A segunda lei retira fundos às cidades que continuam a apoiar esta população. As leis seguem agora para aprovação pelo Senado para serem votadas.

A questão anti-imigratória de Trump tem tido alguns desenvolvimentos nas últimas semanas. Recentemente, o número de detenções de imigrantes ilegais aumentou e o tráfico na fronteira foi até reduzido. No entanto, uma das grandes barreiras às políticas de Trump são as cidades que resistem às ordem do Presidente e que apoiam os imigrantes. Los Angeles, Nova Iorque ou Chicago são exemplo destas cidades que se recusam a entregar imigrantes às autoridades federais sem ordem judicial, tal como começar a identificar indivíduos injustificadamente.

Na passada quarta feira, a Câmara dos Representantes deu ‘luz verde’ a duas leis que vão pesar aos ilegais no país. A primeira lei – a Lei Kate – vem aumentar a pena a quem voltar a entrar no país sem documentos. Quer isto dizer que um imigrante ilegal que tenha sido deportado mais de duas vezes e que insista em voltar pode enfrentar uma pena que pode ir até 10 anos de prisão. A pena será semelhante para aqueles que tenham antecedentes por um conflito grave ou três contraordenações. A Lei Kate contou com 257 votos a favor contra 167.

O nome foi inspirado no caso Kate Steinle, que foi morta a tiro, no cais de São Francisco, por um mexicano com antecedentes e que já tinha sido cinco vezes deportado. O caso já tem dois anos.

Já a segunda lei – à qual foi chamada “Nenhum Santuário para Atos Criminais” – foi aprovada com 228 votos a favor e 195 contra. A lei vem alargar o tempo de detenção de um imigrante para 48h a mais do que é estabelecido pela lei penal. No caso das cidades que não cooperem, estão previstas medidas para lhes serem retirados fundos e a lei incita a que as vítimas de conflitos provocados por estes imigrantes denunciem estas situações.

Na sessão da Câmara dos Representantes, essas cidades foram consideradas como uma “ameaça à segurança pública”. Um magistrado de São Francisco bloqueou provisoriamente estas leis por alegada inconstitucionalidade.

Trump tem vincado a sua política anti-imigração. Recentemente reuniu com familiares de vítimas de ataques de imigrantes ilegais, tem pressionado congressistas e tem mostrado uma posição muito firme no seu Twitter. Numa reunião com pais dessas vítimas, Trump garantiu que essas vítimas não morreram em vão. O Presidente culpa os governos que recusaram “cumprir as leis migratórias”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)