O resultado líquido da NOS subiu 52,5% no segundo trimestre, face a igual período do ano passado, para 40,4 milhões de euros, anunciou esta quinta-feira a operadora de telecomunicações.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a NOS refere que o lucro consolidado “cresceu 13,9 milhões de euros” no período em análise, “refletindo o contributo positivo das empresas participadas”. As receitas de exploração avançaram 4,2% para 388,4 milhões de euros, “com as receitas de telecomunicações a crescerem 3,1% [para 368,8 milhões de euros], motivadas pelo crescimento de 5,8% do número de serviços”.

A área de cinema “registou um forte desempenho, com as receitas a aumentarem 38,6% face ao segundo trimestre de 2016, para 16,2 milhões de euros”, adianta, acrescentando que as receitas de audiovisuais “verificaram um aumento de 13,1% para 19,2 milhões de euros no trimestre devido ao bom desempenho na distribuição de cinema”.

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) aumentou 5,4% para 156,7 milhões de euros. O investimento (capex total) atingiu 85,7 milhões de euros no final de junho, mais 49% do que um ano antes, mantendo-se “totalmente comprometida em levar as suas redes de nova geração a todo o país”.

No final do segundo trimestre, “a dívida financeira líquida situou-se nos 1,114 milhões de euros, representando duas vezes o EBITDA, um rácio conservador face às congéneres do setor”, adianta a operadora de telecomunicações que resultou da fusão da Optimus com a NOS.

O forte investimento que temos vindo a fazer na inovação, na melhoria da qualidade dos serviços que prestamos e no alargamento do número de famílias abrangidas pelas nossas redes de última geração, continua a contribuir para um significativo crescimento da base de clientes”, refere Miguel Almeida, presidente executivo da NOS, citado em comunicado.

“Este sucesso comercial traduz-se, mais uma vez neste trimestre, numa muito positiva evolução dos indicadores financeiros, apesar da continuada queda da receita por serviço”, acrescentou. No segundo trimestre, a NOS continuou “a aumentar a sua base de clientes e a incrementar o número de serviços prestados, que aumentaram 5,8% face ao período homólogo de 2016, contando com 9,254 milhões” no final de junho, mais 507,9 mil que um ano antes e com 99,1 mil adições líquidas entre abril e o mês passado.

A empresa registou ainda um aumento do número de clientes de televisão por subscrição em 2,5%, para 1,613 milhões. Nos serviços móveis, o crescimento verificado atingiu 6,5% face ao período homólogo, 62 mil novos serviços no segundo trimestre, para 4,549 milhões”, prossegue a NOS, no comunicado.

No telefone fixo, o aumento de clientes foi de 5,2% para 1,751 milhões e na banda larga o crescimento foi de 8,4% para 1,308 milhões. “O número de clientes convergentes aumentou 10,4% quando comparado com o segundo trimestre de 2016, para 710,8 mil”, o que representa 47,1% do total da base de clientes de acesso fixo, acima dos 44,4% registados no ano passado.

O número de serviços empresariais atingiu 1,453 milhões, mais 22,6 mil serviços ao longo do segundo trimestre. No final do mês passado, a cobertura de rede fixa atingiu mais 14,9 mil lares, para um total de 3,787 milhões. A área de cinemas da NOS apresentou “um excelente desempenho”, sendo que o número de bilhetes vendidos subiram 42,6%. No segundo trimestre, a NOS vendeu 2,446 milhões de entradas para as salas de cinema.