Armamento

Centro de certificação de armas único no país abre em 2019 em Viana do Castelo

202

O primeiro centro de certificação de armas de fogo e munições do país, um investimento de 2,3 milhões de euros, vai abrir em Viana do Castelo em 2019, informou o diretor nacional da PSP.

O projeto vai ser financiado em 75% pelos fundos comunitários

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro centro de certificação de armas de fogo e munições do país, um investimento de 2,3 milhões de euros, vai abrir em Viana do Castelo em 2019, informou esta segunda-feira o diretor nacional da PSP.

Segundo Luís Farinha, a ideia da criação daquele centro começou a germinar em 2006, aquando da aprovação do novo regime jurídico das armas e munições, mas “por vicissitudes várias”, nomeadamente de ordem financeira, só agora é que a estrutura vai começar a ganhar forma. O responsável adiantou que aquele será o 15.º centro do género em todo o mundo.

Este centro vai colocar Portugal nos circuitos dos bancos de provas CIP [Comissão Internacional Permanente] em termos de certificação e teste de produção de armamento e munições”, sublinhou.

Luís Farinha falava em Viana do Castelo, durante a assinatura de um protocolo entre a PSP e a câmara municipal, pelo qual o município disponibiliza o terreno para a instalação daquele centro, oficialmente designado Banco de Provas de Armas de Fogo e Munições.

O banco vai nascer na freguesia de S. Romão de Neiva, em terrenos contíguos à fábrica belga de armas FN Herstal, responsável pela produção das armas Browning e Winchester. Trata-se da maior fábrica de armas de Portugal, estando autorizada pela PSP para produzir até 150 mil armas por ano.

Esta fábrica está a certificar as suas armas na Bélgica, mas em breve poderá passar a fazê-lo aqui”, disse o diretor do Departamento de Armas e Explosivos da PSP, Coelho da Moura.

Para o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, este banco de provas, além de apoiar aquela que foi a primeira empresa a instalar-se na Zona Industrial de Neiva, há cerca de 30 anos, poderá também atrair para o concelho outros armeiros nacionais e estrangeiros.

“É um projeto virtuoso”, referiu o autarca, aludindo ao envolvimento da administração central e local e de uma empresa privada. O projeto vai ser financiado em 75% pelos fundos comunitários. “Em 2019, estaremos seguramente a inaugurar o Banco de Provas de Viana do Castelo”, referiu Coelho da Moura.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)