O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse esta sexta-feira ser “totalmente falso” que Portugal se tenha oposto à criação de um consenso da União Europeia sobre a situação política na Venezuela.

É totalmente falso que Portugal se tenha oposto a qualquer dos termos que nós, os Estados-membros da União Europeia, consideramos, como é praxe quando se forma uma decisão de política externa da União Europeia, nos últimos dias relativamente à Venezuela”, afirmou o chefe da diplomacia portuguesa, questionado sobre a posição de Lisboa quanto a eventuais sanções europeias a Caracas.

“Qualquer notícia ou qualquer informação que circule dando conta de qualquer dificuldade colocada especificamente por Portugal para a formação do consenso da UE nestes termos é redondamente falsa“, reiterou Santos Silva.

O governante acrescentou que, nas duas últimas semanas, “têm sido ditas várias falsidades repetidamente” e apelou para que termine “tão depressa quanto possível” esse “ciclo, que em nada prestigia quem comete essas falsidades”.

No dia 19, o jornal espanhol El País noticiou que Portugal foi o único país da UE que descartou sanções à Venezuela, uma informação desmentida no próprio dia pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE).