Rádio Observador

Vodafone Paredes de Coura

Este festival é mesmo para sempre

Mais de 100 mil pessoas, 16 mil campistas, 45 espetáculos e quase 2000 livros descarregados das árvores. Números da melhor edição do festival que regressa em 2018, entre os dias 15 e 18 de agosto.

A festa, antes do "até para o ano!"

HUGO LIMA.com

O Vodafone Paredes de Coura deste ano já tinha tudo para ser especial, ainda antes de começar. Além do número redondo da 25ª edição do festival, em 2017 também se assinalam os 25 anos da Vodafone em Portugal e foi o 5º ano da marca como patrocinador principal.

Mais do que uma coincidência, a ocasião representa o casamento feliz entre a organização e a Marca, ao longo de cinco anos recheados de sucessos. Este ano passaram pelo festival mais de 100 mil pessoas, número que fica na história como o maior de sempre. Só na noite de sábado, com o concerto de Benjamin Clementine, foi registada uma afluência superior a 27 mil pessoas.

Regressaram também, pela terceira vez, as sessões de leitura no palco Jazz na Relva, instalado no local onde em tempos ficava o palco principal, junto ao rio. Uma curiosidade que permite ter uma noção do crescimento do festival. As Vodafone Vozes da Escrita trouxeram a poesia à hora do almoço, com leituras apaixonadas e histórias vividas na primeira pessoa, ditas por Catarina e Tomás Wallenstein, Marta Ren e Miguel Guedes em dois momentos de beleza singular.

O êxito desta sessões de leitura despertou o impulso para criar experiências dedicadas aos livros. Assim nasceu a Biblioteca Digital Vodafone formada por dezenas de árvores digitais, distribuídas pelo recinto e também na vila de Paredes de Coura.

Os cinco livros mais descarregados

  1. O Fantasma de Canterville, Oscar Wilde
  2. Mensagem, Fernando Pessoa
  3. Miura, Miguel Torga
  4. O Milagre, António Lobo Antunes
  5. Tudo o que nos Abandona, António Lobo Antunes

As 40 obras estavam disponíveis para download através do código QR associado, numa parceria com a editora Leya. Foram descarregados 1986 livros, registando-se a maior procura no sábado, dia em que o festival esgotou a lotação. No domingo ainda foram registados vários downloads, provavelmente realizados pelos festivaleiros que aproveitaram a oportunidade antes de abandonarem o campismo.

As árvores que dão livros, junto ao rio.

The Wedding Present, Nothing, Moon Duo e Noiserv foram as estrelas que protagonizaram as Vodafone Music Sessions. Estes concertos “gourmet” em locais improváveis já se tornaram numa das experiências mais emblemáticas do festival. É um conceito exclusivo, criado pela Vodafone em 2013, que já foi galardoado nos “Portugal Festival Awards” e também nos “Iberian Festival Awards” como a Melhor Ativação de Marca.

Com um papel determinante na difusão do festival, a Vodafone FM garantiu 40 horas de emissão a partir do estúdio instalado no recinto, com 23 concertos transmitidos em directo e 18 entrevistas realizadas durante os quatro dias de festival.

Foi um dos “bares” mais concorridos. Afinal, a bateria nunca pode faltar!

Em termos de apoio funcional aos festivaleiros, o Vodafone Power Bar esteve ligado durante toda a semana do festival, disponibilizando 200 pontos de carregamento junto à zona de campismo. Dezenas de Vodafone Power Spots ajudaram a evitar a ansiedade e a irritação súbita, muito frequentes quando acaba a bateria. Os Vodafone Shuttles circularam todos os dias em permanência, entre as 10h00 e as 20h00, tendo transportado milhares de festivaleiros entre o recinto do festival e o centro da vila.

Outra das novidades deste ano foi a Yorn Jungle, um espaço diferenciado na zona de campismo com 50 tendas duplas personalizadas, exclusivamente dedicado a clientes Yorn que participaram num passatempo realizado ao longo de dois meses nas redes sociais da marca.

A Yorn Jungle foi mais uma das novidades desta edição.

Quando chegou ao festival Paredes de Coura, em 2013, a Vodafone sabia que tinha ali um ativo único e especial. O ambiente, a paisagem natural nas margens do rio Coura e o grande anfiteatro ao ar livre onde se instala o palco principal. Uma combinação única que a Marca passou a identificar como o habitat natural da música, o cenário perfeito para o festival que goza de uma forte notoriedade, tem uma longa história e foi sempre muito acarinhado pelo público.

Para a Vodafone nunca houve dúvidas de que o caminho a seguir passava por manter e acentuar o carisma do festival, tornando-o ainda mais especial e grandioso. Houve um grande investimento no desenho e criação de iniciativas que foram surgindo para melhorar a experiência dos festivaleiros, numa altura em que, cada vez mais, a qualidade de um festival não passa apenas pelos espetáculos. É preciso ter em conta a forma como todas as outras atividades e estruturas interagem com o espaço envolvente e contribuem para a coerência do conjunto.

Desde que assumiu o papel de patrocinador principal, a marca tem contribuído de forma determinante para a consagração do festival como um dos melhores do panorama europeu. São inúmeros os relatos de festivaleiros na redes sociais a comentar que “a Vodafone tornou o festival ainda mais bonito” ou que “só uma marca como a Vodafone poderia fazer um festival assim”, nas legendas das fotos.

A 26ª está confirmada, de 15 a 18 de agosto de 2018.

Durante a semana, nos dias que antecedem o arranque do Vodafone Paredes de Coura, há uma dinâmica que já se tornou obrigatória como uma espécie de hors d’oeuvre para o menu principal: o Festival Sobe à Vila, onde tocaram este ano bandas como os The Sunflowers, Mister Teaser e Nice Weather For Ducks, entre outros, em noites que seguiram até de madrugada ao som de vários DJ’s.

A programação do Jazz na Relva contou com o projecto “Uma Coisa em Forma de Assim”, Captain Boy, El Rupe e Valter Lobo, encerrando no último dia do festival com espetáculos de Paulo Barros e This Penguin Can Fly.

O Vodafone Paredes de Coura 2017 também registou novidades ao nível da distribuição dos espaços do festival. A área de campismo cresceu e as estruturas de apoio, como os duches, casas de banho e zonas de lava-loiças, passaram a estar numa zona bem definida e com ligações à rede de saneamento. Conseguiu-se promover uma utilização mais racional da água e maior conforto para os cerca de 16 mil campistas que estiveram no festival.

A área de catering e street-food também sofreu alterações, surgindo este ano num plano superior, ao passo que a zona reservada à imprensa se encontrava numa nova localização, no lado esquerdo após a entrada principal. O local ocupado pelos media em edições anteriores passou a ser este ano um espaço para o público, com uma vista privilegiada para o palco principal. Estas alterações permitiram aumentar o espaço disponível no recinto para corresponder ao crescimento da procura.

O Vodafone Paredes de Coura vai voltar ao habitat natural da música em 2018, entre os dias 15 e 18 de agosto, para mais quatro dias memoráveis.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)