PS

Sócrates queria Marinho Pinto como líder do PS, porque a António Costa faltavam “tomates”

3.553

"Sol" revela escutas da Operação Marquês. Em 2014, quando Costa se preparava para desafiar Seguro, Sócrates dizia que o então autarca de Lisboa não tinha "tomates", mas sim o "amigo" Marinho Pinto.

Vítor Rios / Global Imagens

António Costa não tinha, pelo menos em 2014, “tomates” para concorrer a primeiro-ministro e Marinho Pinto daria um muito melhor líder do Partido Socialista. Segundo o texto de novas escutas reveladas este sábado pelo jornal “Sol“, estas eram algumas das opiniões de José Sócrates no verão de 2014, altura em que o então autarca de Lisboa estava prestes a desafiar a liderança de António José Seguro.

Ao contrário do que muitos acreditavam na altura em que Sócrates regressou de Paris, o seu objetivo não era a Presidência da República mas, sim, voltar à liderança do Partido Socialista e ao cargo de primeiro-ministro. “Os da direita estão cheios de medo [de mim] e o m*rdas do Costa está cheio de ciúmes”, dizia Sócrates, numa escuta noticiada pelo Sol sobre uma conversa telefónica entre Sócrates e o deputado Renato Sampaio.

Noutra conversa, com o seu antigo chefe de gabinete, Guilherme Dray, Sócrates aparece a dirigir o mesmo tipo de críticas a Costa. No lançamento do livro de Sócrates onde esteve Lula da Silva e várias altas figuras do PS, entre as quais Mário Soares e Manuel Alegre, António José Seguro faltou e António Costa pareceu querer escapar-se às filas da frente — “ele é um m*rdas. Tinha lugar mesmo à minha frente, ainda o foram buscar à fila, mas ele não quis entrar. É porque já não ia com vontade…”, disse Sócrates, de acordo com o jornal.

Amanhã vou dar uma entrevista ao The New York Times e ao Le Monde para eles saberem o que a casa gasta”

Para Sócrates, segundo uma outra escuta, António “Marinho Pinto [é que] devia ser o líder do PS”, que sempre fora muito seu “amigo, muito contra a corrente“, dizia o ex-primeiro-ministro. É que, se, por absurdo, Seguro ganhar, vai governar com quem?”

Entre as várias escutas divulgadas pelo jornal, é, também, revelado que, numa altura em que Sócrates se preparava para lançar mais um livro — sobre carisma na política –, jantava quase todas as sexta-feiras num restaurante do Lumiar e era das contas tituladas pelo empresário Carlos Santos Silva que saíam os pagamentos. Entre os convivas estavam sempre pessoas como Pedro Silva Pereira, o atual ministro da Segurança Social, Vieira da Silva, João Constâncio (filho de Vítor Constâncio), e João Galamba, que estaria a partilhar com Sócrates informações sobre os planos e intenções de Costa.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos
469

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
108

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)