Rádio Observador

Fogo de Pedrógão Grande

Vítimas de Pedrógão descontentes com projetos das novas casas

286

O "Jornal de Notícias" garante que muitos dos proprietários afetados estão descontentes com projetos de reconstrução. Em causa estão a redução da áreas da habitações e o derrube de paredes de xisto.

O vereador de Urbanismo da autarquia de Pedrógão Grande afirma que das 100 casas de primeira habitação que vão agora arrancar, só três ficam piores

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Demolição do que resta dos edifícios, incluindo as típicas paredes de xisto, e redução da área das habitações. O processos de reconstrução das casas afetadas pelo incêndio de Pedrógão Grande tem desagradado às vítimas, de acordo com a edição do “Jornal de Notícias” deste sábado. A Câmara Municipal relembra que os proprietários não têm de aceitar automaticamente os projetos, mas nem todos sabem disso. E os que já recusaram estão à espera de que lhes seja apresentada uma nova alternativa.

Em causa estão a redução de casas de tipologia T3 para T2 ou de T2 para T1, com os proprietários a queixarem-se de falta de espaço para acolher membros da família em visita, por exemplo. Em alguns casos de demolição total do que restou da casa, os proprietários temem perder as características paredes de xisto.

Ao JN, o vereador de Urbanismo da autarquia de Pedrógão Grande, Bruno Gomes, declara que “das 100 casas de primeira habitação que vão agora arrancar, só três ficam piores do que estavam”. Bruno Gomes garante, por outro lado, que “ninguém é obrigado a aceitar um projeto com o qual não concorda”. Nos casos ouvidos pelo JN, os proprietários que recusaram os projetos estão ainda à espera de ver novas plantas.

Os problemas na reconstrução das casas afetadas pelo fogo de Pedrógão têm-se sucedido. Ainda esta semana, o jornal Expresso dava conta de que muitos dos empreiteiros da região estão a cobrar preços que chegam quase ao dobro do que era antes praticado. “Antes do fogo, os preços rondavam os 500 euros por metro quadrado, agora não se encontra nenhum empreiteiro local que aceite fazer uma obra por menos de 750 euros e alguns pedem até 950 euros por metro quadrado”, disse uma fonte ao jornal. Ao todo, apenas 18 habitações terão já sido totalmente reconstruídas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Economia

O Congresso dos Economistas /premium

Manuel Villaverde Cabral

A legislação que regula as empresas e os investimentos é tão complicada e contraditória que não só arrasta os processos muito mais tempo que a média europeia como leva os investidores a desistirem.

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)