Rádio Observador

Barack Obama

Obama diz que nem todos os problemas podem ser resolvidos com tanques de guerra

353

O anterior Presidente dos EUA advertiu que não é possível resolver "todos os problemas com tanques e aviões de guerra", em referência ao conflito com a Coreia do Norte.

Barack Obama. "Um dos meus orgulhos é o acordo nuclear com o Irão"

CHRISTIAN BRUNA/EPA

O anterior Presidente dos EUA, Barack Obama, advertiu esta quinta-feira que não é possível resolver “todos os problemas com tanques e aviões de guerra”, em referência ao conflito com a Coreia do Norte, durante um fórum realizado em São Paulo.

“Não podemos resolver todos os problemas com tanques e aviões de guerra, tenho orgulho do poder militar dos Estados Unidos e isso é uma vantagem. A Coreia do Norte é um perigo e precisamos de fortes alianças para enfrentá-lo, mas a segurança não depende apenas da força militar, mas também de forte diplomacia”, disse Obama numa alusão à política do seu sucessor, Donald Trump.

O ex-presidente dos Estados Unidos lembrou que, quando assumiu o cargo, o risco veio do Irão e ele formalizou um acordo nuclear que impediu que esse país se tornasse uma ameaça, como hoje é a Coreia do Norte.

“Um dos meus orgulhos é o acordo nuclear com o Irão, negociamos com o Irão, um país com grandes diferenças com os Estados Unidos e problemas exportados para outros países, um governo que era um adversário e, no entanto, acreditávamos que era necessário resolver um problema específico e garantir que não desenvolvessem armas nucleares “, disse.

“Isso demorou um pouco, mas conseguimos, e a consequência é que o Irão não foi pelo mesmo caminho que a Coreia do Norte. Temos grandes tensões, mas o problema foi resolvido sem qualquer disparo, e isso mostra que podemos ter resultados com uma forte diplomacia”, acrescentou.

No fórum organizado pelo banco Santander e pelo jornal Valor Económico, Obama admitiu que uma das questões pendentes de seu mandato foi não conseguir reduzir as diferenças políticas na sociedade americana.

“A minha maior autocrítica é que eu não consegui reduzir as diferenças que já estavam a emergir na nossa política, parece que não contribuí muito com isso. Tentei ser uma pessoa calma, mas acho que quando entreguei o cargo, vi frustrada a esperança de reunir as pessoas acima das diferenças “, disse Obama.

Na sua opinião, a crise económica exacerbou as diferenças nos Estados Unidos, porque apesar de ter respondido “com sucesso” à recessão, “a recuperação foi lenta e deixou muitas pessoas frustradas, e a raiva na política parece ter aumentado”.

Na sua palestra para uma audiência de empresários em São Paulo, Obama aludiu ao avanço do populismo e defendeu o reforço da democracia para deter esta tendência.

“Não é surpreendente que ao longo do tempo vejamos movimentos populistas e autoritários avançando e ameaçando. Estes perigos existem, mas o que deve ser reforçado é que a democracia é a melhor forma de governo projetada pelo homem”, declarou.

Obama criticou veementemente Donald Trump elencando o ponto de vista nacionalista do seu sucessor, que culpa outros países pelas perdas de empregos, o fecho de fronteiras para imigrantes, apoio a setores que negam os efeitos das mudanças climáticas e propostas para restringir a comunicação social.

Depois de admitir que os Estados Unidos têm sérios problemas de monopólio nos media e que a opinião pública é composta por apenas três redes de televisão, o ex-Presidente dos EUA considerou “mais perigoso para os governos começarem a censurar ou restringir o que circula nos media e na internet”.

Obama vai encontrar-se esta quinta-feira com um grupo de jovens brasileiros e viajará para a Argentina na sexta-feira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)