O fogo que deflagrou na sexta-feira à noite em Pampilhosa da Serra encontra-se na manhã desta terça-feira com apenas uma frente ativa, disse à agência Lusa o presidente do município, José Brito.

Segundo o autarca, a última frente de fogo lavra no vale de Ceiroco, na freguesia de Fajão, numa zona inacessível para os bombeiros e para os meios aéreos, devido ao fumo que impede a visibilidade.

Durante a noite, os bombeiros e os operacionais no terreno efetuaram um excelente trabalho e extinguiram duas das três frentes de fogo que ontem [segunda-feira] persistiam”, salientou José Brito.

Uma casa, uma garagem e várias máquinas agrícolas já arderam neste incêndio, adiantou o autarca.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Às 9:50, o fogo estava a ser combatido por 609 operacionais, apoiados por 182 meios terrestres, de acordo com a página da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

O fogo, que teve início pelas 23:20 de sexta-feira, num povoamento florestal próximo de Castanheiro, localidade da freguesia de Fajão e Vidual, no município de Pampilhosa da Serra, alastrou ainda ao concelho de Arganil, onde já não se verifica nenhum foco de incêndio.

O incêndio obrigou os dois municípios a ativarem o Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil.